13:02 20 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Xadrez

    China faz xeque-mate a Washington no palco global

    © Foto / pixabay
    Mundo
    URL curta
    32443
    Nos siga no

    A China está no seu terceiro ano do plano “Um Cinturão, Uma Rota”, ou a nova Rota da Seda, estratégia anunciada por Xi Jinping e destinada a desenvolver a cooperação com parceiros europeus. O plano, que consiste de duas partes, é um impulso para aumentar o potencial económico chinês e maximizar a influência geopolítica do país.

    A primeira parte é um cinturão económico no continente, enquanto a segunda parte tem a ver com a zona marítima.

    O projeto continental inclui os países situados na antiga Roda da Seda, através da Ásia Central e Ocidental, Oriente Médio e Europa, apelando para uma maior integração e criação de uma zona económica coesa.

    A iniciativa marítima expande o projeto nas águas do Mar do Sul da China, Pacífico do Sul e Índico, servindo como um instrumento para frear as incursões americanas na hegemonia econômica da China nesta região.

    O ponto central do projeto é o Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (AIIB, em sigla inglesa), alternativa do Banco Mundial dirigido pelos EUA, que dá à China a possibilidade de influenciar a política regional, concedendo ao mesmo tempo aos europeus oportunidades para investir. Durante os primeiros anos, estão planejados mais de $200 bi (R717 bi) para projetos de construção e mais quatro trilhões estão no horizonte, diminuindo os investimentos dos EUA em várias ordens de grandeza.

    A utilização da prosperidade econômica para comprar a benevolência política não é nova, comparada por muitas pessoas ao Plano Marshall, aplicado pelos EUA nos anos seguintes à Segunda Guerra Mundial, quando enormes investimentos foram feitos na Europa para supostamente evitar que o continente se tornasse comunista e região satélite da esfera de influência soviética.

    Recentemente, a China usou uma estratégia semelhante em África, (levando muitos países deste continente a apoiar Pequim nas Nações Unidas), e no Afeganistão, para obter o seu apoio em disputas territoriais no Mar do Sul da China.

    Li Keqiang, primeiro-ministro da China
    © AFP 2019 / JULIEN WARNAND
    Enquanto os EUA, apesar do défice econômico, continuam gastando recursos para manter a sua esfera de influência no Ocidente, financiando a OTAN, os avanços regionais da China fazem Washington se mexer.

    Então, na tentativa de combater a influência chinesa, o presidente estadunidense Barack Obama passou a semana passada em turnê na Ásia, oferecendo concessões ao presidente do Vietnã, Tran Dai Quang, na forma de levantamento do embargo, e se desculpando – ainda que não abertamente — pelo holocausto nuclear, quando visitou Hiroshima e Nagasaki no Japão.

    Uma professora da Universidade de Nova Iorque,  Ann Lee, especialista em relações econômicas da China, disse na quinta-feira (2) à emissora Sputnik:

    “Os EUA e a Europa estão envolvidos em diplomacia econômica no mundo, através de empréstimos do FMI e do Banco Mundial, que requerem que os países receptores concordem com os termos, tais como a abertura dos seus mercados, a adoção de certos princípios de governo e a adesão às normas referentes aos direitos humanos”.

    Segundo ela, a Nova Rota da Seda influenciou as relações sino-europeias positivamente, tornando-as mais próximas.

    “A China é muito assertiva nos vários acordos com a Europa. Já foram anunciados acordos com a Escócia, a Itália e outros países”, disse Lee, falando sobre os passos seguintes de Pequim que, segundo ela, são “um xeque-mate a Washington no palco global”.

    Ela sugeriu que a própria Europa pode ganhar imensamente com este processo, tendo em conta a estagnação da sua economia e o desejo de explorar os mercados emergentes.

    “A China oferece as formas para atingir estes mercados, então isto é uma vitória para ambas as partes”, disse a professora.

    Tags:
    influência, economia, rota, ONU, Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (AIIB), Banco Mundial, FMI, Tran Dai Quang, Barack Obama, Xi Jinping, Japão, Mar do Sul da China, Vietnã, África, Oriente Médio, Europa, EUA, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar