15:57 12 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Rússia adota sanções contra produtos turcos

    Exportações turcas para Rússia sofreram queda de 60% em 2016

    © Sputnik/ Alexey Malgavko
    Mundo
    URL curta
    Turquia abate bombardeiro russo na Síria (115)
    142

    As exportações de produtos turcos para Rússia, nos primeiros 4 meses de 2016, sofreram uma queda no valor de 720 milhões de dólares, ou em 60%, comparando com o mesmo período da ano passado, informou nesta quarta-feira a agência Anadolu, com respaldo nos dados da Agência de Estatística da Turquia (TUIK).

    De janeira a abril, as exportações turcas para Rússia somaram 485 milhões de dólares, contra 1,205 bilhões de dólares no mesmo período de 2015. Conforme os dados da TUIK, a importação de produtos russos pela Turquia também caiu, sofrendo uma redução de 2,531 bilhões de dólares, ou 33%, somando um total de 5,077.  

    Os setores mais afetados pela redução das exportações para a Rússia na Turquia são o agrícola, téxtil e indústria de plástico. A Rússia sofreu redução de exportações de combustíveis minerais, ferro, aço e grãos. 

    Rússia e Turquia vivem uma crise nas relações bilaterais desde 24 de novembro de 2015. Na ocasião, um caça turco abateu na Síria um bombardeiro russo Su-24. O presidente da Rússia, Vladimir Putin, classificou o incidente de "golpe pelas costas" por parte de amigos de terroristas e adotou uma série de sanções contra Ancara. Turquia ainda não se desculpou pela aeronave derrubada e pela morte do piloto russo.

    Tema:
    Turquia abate bombardeiro russo na Síria (115)

    Mais:

    Kremlin: Turquia deve pedir desculpa por abate do Su-24
    Turquia propõe criação de grupo de trabalho para normalizar relações com Rússia
    Putin: Rússia deseja restaurar relações com Turquia e espera por iniciativas de Ancara
    Putin: Rússia, EUA e Turquia precisam superar contradições para derrotar o terrorismo
    Tags:
    importações, exportações, relações bilaterais, sanções, Su-24, Vladimir Putin, Turquia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik