18:50 16 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Bandeiras da Grécia e da União Europeia, Atenas, Grécia.

    Grécia é contra extensão automática de sanções anti-Rússia

    © REUTERS/ Yannis Behrakis
    Mundo
    URL curta
    252

    A Grécia manifestou ser contra a extensão automática das sanções contra a Rússia, visto que todos os países da União Europeia apresentam argumentos a favor e contra às restrições. Quem afirma é o vice-ministro das Relações Exteriores da Grécia, Nikos Ksidakis.

    "O primeiro passo que devemos tomar é reexaminar e considerar o tempo e as circunstâncias políticas em que foram introduzidas as sanções Hoje, não estamos no mesmo ponto, que foi quando a crise ucraniana começou. Desde então, aconteceram muitos eventos, foi alcançado um acordo sobre o quadro de co-existência, um plano de ação. Todos devem agir com cuidado e objetivamente em conformidade com os acordos de Minsk", disse o diplomata grego.

    Ele lembrou que uma proporção significativa das relações comerciais dos países da União Europeia vem justamente da Rússia, incluindo no domínio da energia.

    "A Rússia é o principal fornecedor de energia para a Europa e a Rússia, por sua vez, tem grandes interesses comerciais em muitos países europeus", disse Ksidakis.

    O diplomata disse estar convencido de que o "congelamento" das relações entre o Ocidente e a Rússia, que acontece hoje, é prejudicial para ambos os lados. 

    "Eu acho que nós precisamos olhar para a situação com cuidado, de forma discreta e descobrir como ‘descongelar’ as nossas relações", acrescentou. 

    Mais:

    'Visita de Putin à Grécia é um sinal à União Europeia'
    Rússia e Grécia adotam declaração de fortalecimento dos laços bilaterais
    Três caças se encontraram com Putin na Grécia
    Visita de Putin à Grécia pode melhorar diálogo sobre Síria, segundo Tsipras
    Avião comercial da EgyptAir desaparece dos radares na Grécia
    Tags:
    congelamento, comércio, sanções, Ocidente, União Europeia, Rússia, Grécia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik