21:18 17 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Presidente da Comissão Europeia Jean-Claude Juncker (foto de arquivo)

    Crise migratória: presidente da Comissão Europeia alertou para o populismo de direita

    © flickr.com/ Parlamento Europeu
    Mundo
    URL curta
    223

    O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, pediu que os países demonstrem mais solidariedade durante a crise migratória na Europa, de modo a evitar populismo de direita.

    "O problema dos refugiados, a crise de refugiados é um sério desafio para todos nós, mas, antes de tudo, é um problema para democratas cristãos convictos", declarou ele, ao discursar em Luxemburgo durante o aniversário de 40 anos do Partido Popular Europeu, agrupamento partidário democrata cristão e força política preponderante no Parlamento Europeu.

    "Solidariedade para tratar do problema dos refugiados está intimamente relacionada à nossa compreensão da humanidade, da nossa compreenção da Europa. Por isso é preciso — segundo normas aceitas e sem exceções — demonstrar mais uma vez a solidariedade da União Europeia na questão dos refugiados", destacou ele.

    "Não devemos nós deixar levar por populistas baratos", declarou Junker.

    "Existem motivos, propostas e especificações que exigem mais elaboração. Em geral, entretanto, devemos agir de modo a não descer até o nível dos populistas. Aquele que dá apoio aos populistas acaba se tornando populista… É preciso traçar uma fronteira muito clara entre o Partido Popular Europeu e as forças de extrema direita na UE e no continente europeu, e sempre lembrar dessa fronteira", concluiu o presidente da Comissão Europeia.

    Mais:

    Mais de 200 mil imigrantes ingressaram na UE pelo Mediterrâneo em 2016
    Direita avança na Europa: as forças mais populares
    ONU: Um milhão de imigrantes desembarcaram na Europa pelo mar em 2015
    Tags:
    crise de imigrantes, Partido Popular Europeu, Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, Europa, União Europeia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik