06:38 20 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Os Andes separam a Argentina do Chile, onde em finais de junho haverá cúpula da Aliança do Pacífico. Macri estará presente.

    Argentina quer ficar mais junto do Pacífico sem abandonar Mercosul

    © AFP 2018 / PABLO PORCIUNCULA
    Mundo
    URL curta
    16221

    Nesta terça-feira (31), o ministro da Fazenda e Finanças da Argentina, Alfonso Prat Gay, declarou que o gabinete aposta por um "rápido acordo" entre o Mercosul e a União Europeia (UE).

    "Fomos o governo que voltou a colocar sobre a mesa este acordo e temos a intenção de avançar na direção correta", disse Prat Gay, citado pela agência estatal Télam.

    Ele mencionou ainda, durante a sua entrevista à agência de notícias espanhola EFE, que o acordo UE-Mercosul "permitirá conectar os dois oceanos e unificar comercialmente o Cone Sul e toda a América do Sul, o que é algo que não conseguimos desde a época de San Martín e Bolívar". O ministro não deixou de mencionar também "a outra aliança", ou seja, o Tratado Transpacífico de Cooperação Econômica, o TPP, na sigla em inglês.

    Prat Gay está agora em Madri participando de um fórum organizado pela Casa da América. Membro do gabinete organizado pelo presidente Mauricio Macri, eleito e empossado em 2015, ele critica a política econômica do governo de Cristina Fernández de Kirchner, insistindo que "temos que ordenar a desordem".

    Qualificando o estado atual das coisas, o ministro da Fazenda afirma que "estão melhorando as expectativas" e prevê queda da inflação até um impressionante 5% em 2019. Em 2015, a inflação beirava os 25%, de acordo com o Infobae, que alega uma pesquisa divulgada pelo Fundo Monetário Internacional (FMI).

    O ministro confessou que "esta melhora não chegou às ruas", reconhecendo o poder da atitude popular opositora ao curso neoliberal do novo gabinete, mas estima que "no segundo trimestre deste mesmo ano" o povo já a reconheça.

    Viagem

    Em junho, a agenda o presidente da Argentina tem uma viagem ao Chile, onde terá lugar a cúpula da Aliança do Pacífico, que une o Chile, o México, a Colômbia e o Peru. Como informa a Reuters, citando um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores argentino, é "o primeiro passo".

    Contudo, a mesma fonte insiste que "de nenhuma maneira" planeja-se abandonar o Mercosul.

    Mais:

    Parlamentares europeus pedem suspensão de negociações entre UE e Mercosul
    Putin propõe zona de cooperação 'do Atlântico ao Pacífico'
    TTIP ou hegemonia dos EUA na Europa?
    Mercosul e União Europeia trocarão ofertas para acordo comercial em 11 de maio
    Relações entre sócios do Mercosul e dos BRICS estão mais sólidas do que nunca
    TTIP e CETA provocam preocupação sobre direitos humanos
    TPP: Parceria dos EUA é pequena frente à presença de China e Rússia na Ásia-Pacífico
    Tags:
    cúpula, Aliança Pacífico, Mercosul, Mauricio Macri, Afonso Prat-Gay, Espanha, Chile, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik