06:11 24 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Marinha alemã resgata imigrantes no Mediterrâneo, que partiram da Líbia, 29 de março de 2016

    Mais de 200 mil imigrantes ingressaram na UE pelo Mediterrâneo em 2016

    © AP Photo / Matthias Schrader
    Mundo
    URL curta
    0 0 0

    Aproximadamente 204 mil migrantes ingressaram na União Europeia (UE) pelo Mediterrâneo em 2016. Mais de 2.500 morreram durante a travessia, sendo 880 delas na semana passada, segundo informou nesta terça-feira (31) a ONU.

    O porta-voz do Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (Acnur), William Splinder, disse durante entrevista em Genebra, que este ano é particularmente mortal. "Perderam-se 2.510 vidas” durante os cinco primeiros meses do ano, contra 1.855 no mesmo período do ano passado.

    No total, 880 pessoas morreram na semana passada, no naufrágio de várias embarcações que tentavam chegar à Itália, informou o Acnur.

    Dos 204 mil que chegaram à UE este ano, três quartos, especialmente sírios e afegãos, alcançaram a Grécia antes do fim de março. Desde então, os desembarques na Grécia diminuíram após entrada em vigora de um acordo entre Bruxelas e Ancara para estancar o fluxo migratório.

    Quanto à Itália, 46.714 imigrantes ingressaram no país desde janeiro, mais ou menos o mesmo número que em 2015, segundo o Acnur. A grande maioria dos imigrantes a desembarcar na Itália vêm da África Subsaariana. A rota entre o Norte da África e a Itália é consideravelmente mais perigosa. Este ano já morreram 2.119 dos migrantes que tentavam fazer aquela viagem, informou Agência Brasil.

    Mais:

    ONU: Um milhão de imigrantes desembarcaram na Europa pelo mar em 2015
    Mais de 80 imigrantes estão desaparecidos após naufrágio na costa da Líbia
    Naufrágio perto da costa da Turquia deixa 18 imigrantes mortos
    Europa recebe número recorde de imigrantes pelo Mar Mediterrâneo em outubro
    Tags:
    imigração, crise de imigrantes, ONU, Acnur, Mar Mediterrâneo, Europa, UE
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik