19:14 23 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Real brasileiro e dólar norte-americano

    EUA já não lideram ranking de competitividade

    © AFP 2018 / VANDERLEI ALMEIDA
    Mundo
    URL curta
    6130

    Os EUA já não são líderes do ranking de competitividade das economias mundiais, diz o relatório do IMD (International Institute for Management Development).

    Após três anos no primeiro lugar, os EUA agora ocupam o terceiro, cedendo a Hong Kong e à Suíça.

    Quanto aos países da América Latina, o Chile tem a melhor posição (36ª), enquanto o Brasil ocupa o 57º lugar, embora no ano passado tenha ocupado o 56º. A Argentina subiu quatro posições em 2016 e fica agora no 55º lugar. A última posição no ranking foi atribuída à Venezuela. 

    A posição da Rússia também mudou, o país subiu do 45º ao 44º lugar. Os especialistas do IMD apontam para as finanças públicas, a política fiscal e o mercado de trabalho como os pontos fortes da economia russa.

    Um total de 61 países participa do ranking, que foi elaborado pela primeira vez em 1995. 

    "Desde 1995, o mundo tornou-se cada vez mais desigual em termos de diferenças de renda entre os países, embora a taxa de crescimento esteja agora a afrouxar", disse professor Arturo Bris, diretor do Centro da Competitividade Mundial do IMD.

    "A riqueza dos países mais ricos tem crescido a cada ano, exceto nos dois anos passados, enquanto os países mais pobres viram alguma melhoria das condições de vida desde o início do novo milênio. Infelizmente, o problema para muitos países é que a acumulação de riqueza dos ricos não trouxe quaisquer benefícios para os pobres na ausência de uma previdência social adequada”.

    Mais:

    Economista sobre o TTIP: Europa não conseguirá resistir aos EUA
    Arábia Saudita pretende proteger sua participação no mercado petrolífero
    Declarações do G7 não preocupam Kremlin
    Rússia e China discutem pagamentos em moedas nacionais
    Tags:
    competitividade, economia, ranking, Rússia, Brasil, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik