22:51 19 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Bandeira alemã no Bundestag

    Vice-chanceler alemão enfrenta críticas por querer levantar sanções

    © flickr.com / Hernán Piñera
    Mundo
    URL curta
    309

    Os membros do Partido Social-Democrata da Alemanha (SDPA) criticaram fortemente o apelo do seu líder, o vice-chanceler da Alemanha Sigmar Gabriel no sentido de levantar gradualmente as sanções contra a Rússia, comunica o jornal alemão Die Zeit.

    Após o apelo de Sigmar Gabriel, os membros do partido criaram um grupo de trabalho que propôs uma “nova política da Alemanha para o Leste”.

    “Nosso objetivo consiste na distinção clara entre a democracia social e a política agressiva do Kremlin, que contradiz as normas do direito internacional, bem como na expressão de solidariedade para com os nossos vizinhos e parceiros na Europa Oriental” diz-se no comunicado do novo grupo de trabalho.

    O vice-chanceler da Alemanha fez uma proposta de levantamento gradual das sanções contra a Rússia na quarta-feira (25), durante o encontro com o ministro da Indústria e Comércio da Rússia, Denis Manturov, na cidade de Rostock (Alemanha).

    Gabriel acrescentou que a política de isolamento a longo prazo não dá quaisquer resultados, só o diálogo pode ajudar.

    Segundo o organizador do grupo, Jan Berends, o SDPA deve “ter forças para recusar uma política oriental ao estilo de Gerhard Schroder”. Segundo ele, Gabriel segue um “caminho errado”.

    O antigo vice-chanceler da Alemanha Gerhard Schroder, citado por Sigmar Gabriel, também tinha repetidamente apelado para renunciar à política de sanções. Em janeiro deste ano, ele classificou o prolongamento das sanções contra a Rússia como um “passo absurdo”.

    Mais:

    Reino Unido perdeu cerca de US$ 10 bilhões em guerra de sanções com Rússia
    Política das sanções não funciona: investidores mantêm interesse pela Rússia
    Tags:
    levantamento, crítica, proposta, sanções, política, grupo de trabalho, Sigmar Gabriel, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik