12:10 17 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Prisão de Vladimir. Foto de arquivo

    Rússia pode criar prisões para terroristas

    © Sputnik / Vladimir Vyatkin
    Mundo
    URL curta
    221
    Nos siga no

    A criação de prisões especiais para terroristas está sendo discutida em várias instituições russas, inclusive no Conselho de Segurança do país, foi divulgado nesta quarta-feira (26).

    A respectiva informação foi divulgada no Conselho de Federação (câmara alta do Parlamento russo), por Denis Kornikov responsável pelo combate ao extremismo do Ministério do Interior da Rússia.

    "O tema das prisões especializadas (para terroristas) está sendo discutido em várias instituições, inclusive no Conselho de Segurança", disse Kornikov, respondendo às questões dos deputados russos.

    Em novembro de 2015, o vice-presidente do Conselho da Federação russo Ilyas Umakhanov sugeriu criar prisões especiais para que os terroristas não possam continuar o recrutamento de militantes entre os outros prisioneiros condenados por vários crimes.

    Segundo informou o Centro Antiterrorista da Comunidade dos Estados Independentes (CEI), atualmente os extremistas estão intensificando o recrutamento em países da comunidade. Têm sido recrutados, além de grupos de estudantes e religiosos potencialmente "perigosos", diferentes militares, agentes da lei e prisioneiros.

    Além disso, atualmente a Duma de Estado (câmara baixa do Parlamento russo) está considerando um pacote de projetos de lei que visam aumentar a responsabilidade por ações de terrorismo e extremismo.
    Em meados de maio, os projetos passaram a primeira leitura.

    O pacote prevê a introdução, como uma das primeiras medidas preventivas, na lei de um novo corpo de delito – o terrorismo internacional. Para este crime é proposta a punição de prisão perpétua. Os terroristas condenados que tiverem duas cidadanias, inclusive a russa, serão também privados desta.

    Tags:
    prisões, terrorismo, Conselho da Federação, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar