00:12 24 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Sistema de mísseis Patriot

    França se opõe à OTAN no quesito dos sistemas de DAM

    © AFP 2017/ KIM JAE-HWAN
    Mundo
    URL curta
    81403213

    Vários oficiais franceses retiraram a sua aprovação para oferecer a OTAN o controle da defesa antimíssil europeia construída pelos EUA porque têm dúvidas sobre se "o sistema realmente será controlada pela aliança e não pelos EUA".

    Esta informação foi recentemente divulgada pelo Wall Street Journal. O jornal americano cita oficiais franceses sem revelar os seus nomes.

    “Não estamos extasiados do IOC”, citou o periódico um dos oficiais, se referindo ao acrônimo inglês para a Capacidade Operacional Inicial, nome militar que significa a fase do desenvolvimento de um sistema na qual o mesmo pode satisfazer as mínimas necessidades operacionais do usuário. Trata-se do sistema de Comando e Controle C2, que deve ser capaz de controlar cerca de 200 saídas aéreas por dia.

    “Não é apenas uma questão técnica, há também um aspecto político. É um sistema da OTAN, a OTAN assume a responsabilidade se você abate um míssil. A OTAN assuma responsabilidade se falhar”, explicou o oficial.

    Outro oficial francês, que também pediu no anonimato, sublinhou que o sistema de comando e controle da OTAN não estava pronto e por isso continua sendo usado o sistema americano.

    “O sistema C2 não está suficiente maduro para permitir a OTAN controlar a situação”, disse ele citado pelo periódico.

    Os oficiais franceses também estão analisando os resultados dos exercícios Steadfast Alliance que tinham sido realizados em abril para testar a prontidão do sistema a operar.

    Enquanto é um oficial militar da OTAN que deve decidir se o sistema estiver pronto, mas os oficiais americanos estão promovendo a ter o sistema sob o controle da OTAN já em julho, quando será realizada a cúpula em Varsóvia. Caso contrário, eles notam, a Rússia alegadamente poderia considerar isso como “um sinal de fraqueza”.

    "As autoridades da Aliança e dos Estados Unidos acreditam que, se a OTAN não usa a sua reunião de julho em Varsóvia para assumir o controle do sistema de defesa antimíssil e declará-la operacional, a Rússia declararia que a aliança está renunciando à sua vontade", o jornal diz, em referência a preocupações repetidas de Moscou sobre o sistema e declarações de que esta apresenta ameaça à segurança global e nacional.

    O sistema inclui instalação de radar de banda X na Turquia (usado para ajudar a direcionar os interceptores), quatro destruidores navais de mísseis guiados em Espanha (capazes de abater mísseis balísticos) e a base de sede, comando e controle na área da cidade de Ramstein, na Alemanha, construído pela Aliança para os sistemas de radar e de mísseis de concepção americana.

    Os EUA também começou a construção de um segundo local de interceptador baseado em terra na Polônia.

    Se o sistema é transferido para o comando da OTAN em julho, autoridades dos EUA esperam que ele esteja em plena capacidade operacional em 2023, após a conclusão de trabalhos na Polônia.

    Um oficial da OTAN envolvido no processo, disse ao jornal que a decisão final sobre declarar o sistema plenamente operacional ou não provavelmente não será tomada até o último momento.

    Tags:
    segurança, OTAN, Polônia, EUA, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik