17:52 05 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    Síria depois de Palmira (73)
    1112
    Nos siga no

    O porta-voz do Pentágono no Oriente Médio, coronel Steve Warren, declarou que os militares russos estão criando uma base de operações em Palmira, na Síria, para apoiar as suas atividades, e do exército sírio, na região.

    Anfiteatro na parte histórica de Palmira, Síria, em 28 de março de 2016
    © Sputnik / Mikhail Voskresensky
    "Em Palmira eles estão montando algo como uma base operacional, um ponto de apoio para uma presença mais sustentável na região. Por enquanto não é possível afirmar se é algo de longo ou curto prazo", informou Warren em Bagdad durante uma teleconferência. 

    Ele adicionou que, em geral, o número das tropas russas na Síria não diminuiu, desde o anúncio de Moscou sobre a redução do efetivo no país, feito em março.

    A agência de notícias norte-americana Associated Press informou anteriormente que os militares russos estariam "construindo uma base militar em Palmira". A agência publicou uma imagem de satélite, feita por UNESCO, de uma vila militar russa nos arredores da cidade, que é considerada um patrimônio da humanidade pela organização. 

    O Ministério da Defesa da Rússia se pronunciou afirmando que "não há nenhuma nova base russa" em Palmira. Segundo o órgão, as fotos divulgadas pela UNESCO e publicadas pela agência de notícias mostram as imagens do acampamento temporário do centro internacional para desarmamento de minas terrestres.

    Tema:
    Síria depois de Palmira (73)

    Mais:

    Rússia criará base militar em Palmira, diz mídia
    EUA não planejam cooperar com a Rússia para defender Palmira dos terroristas
    Hermitage de São Petersburgo apoiará esforços de restauração de Palmira
    Músico russo dá concerto sinfônico em Palmira (VÍDEO AO VIVO)
    Forças russas em Palmira funcionam de fato como forças de manutenção da paz
    Tags:
    AP, Pentágono, UNESCO, Steve Warren, Palmira, Síria, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar