09:27 18 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Uma mulher anda com uma menina em frente do grafite do Uncle Sam em Caracas

    Chávez morreu tentando acabar com ditadura do dólar, diz vice-presidente da Venezuela

    © AFP 2018 / FEDERICO PARRA
    Mundo
    URL curta
    11121

    O vice-presidente da Venezuela, Aristóbulo Istúriz, afirmou durante uma palestra no Palácio Branco em Caracas nesta terça (17), que Hugo Chávez morreu tentando promover a criação do chamado Banco do Sul para acabar com a ditadura financeira do dólar.

    O vice-presidente da Venezuela, Aristóbulo Istúriz
    © AFP 2018 / FEDERICO PARRA
    O vice-presidente da Venezuela, Aristóbulo Istúriz

    Durante o evento, transmitido pela emissora venezuelana VTV, o vice-presidente falou sobre a suposta conspiração contra o falecido chefe de Estado e sobre os seus planos de criar o Banco do Sul, onde todos os países sul-americanos poderiam guardar suas reservas internacionais para não dependerem do Banco Mundial, do Fundo Monetário Internacional e do dólar.

    "Chávez iniciou a ruptura com o sistema monetário internacional, a ditadura do dólar, para construir uma arquitetura financeira própria <…>, ele propôs a criação do Banco do Sul e de sua moeda, o Sucre", acrescentou ele. 

    Segundo o vice-presidente, o câncer que matou o presidente Hugo Chávez em março 2013 não era natural. A doença foi induzida para acabar com a revolução bolivariana e a ideia da nova ordem financeira, embora ele reconheça que não tem como comprovar essa teoria. Mas, segundo ele, é de estranhar que vários líderes da região, amigos de Chávez, tenham tido a mesma doença, que apareceu com apenas alguns meses de diferença.

    "(Hugo) Chávez se tornou o alvo principal e o inimigo número um dos centros financeiros mundiais e por isso o mataram, todos nós estamos seguros disso mas não o podemos provar. É bastante claro que todos os líderes tinham a mesma doença. O presidente (do Paraguai, Fernando) Lugo tinha câncer, Cristina (Fernández de Argentina) tinha câncer, Lula, Dilma (ambos do Brasil), em seguida, Chávez", disse Istúriz durante sua palestra.

    Segundo Istúriz, se Chávez não tivesse morrido, ele continuaria a luta contra o sistema monetário internacional e a ditadura do dólar.

    Mais:

    Venezuela nega retaliação ao afastamento de Dilma
    Serviços secretos dos EUA informaram sobre possível golpe palaciano na Venezuela
    Emergência económica prolongada por mais três meses na Venezuela
    Tags:
    reservas internacionais, conspiração, fiança, luta, câncer, Fundo Monetário Internacional, Banco Mundial, Hugo Chávez, Cristina Fernández de Kirchner, Dilma Rousseff, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik