22:03 23 Janeiro 2018
Ouvir Rádio
    Helicóptero AW Linx Wildcat da OTAN durante ensaios militares

    Conheça a maneira de 'copiar e colar' da OTAN

    © AFP 2018/ FRANCISCO LEONG
    Mundo
    URL curta
    928

    O general italiano Salvatore Farina, recém-nomeado comandante da OTAN, fez declarações, chamando a postura da Rússia no Mar Báltico de “perigosa” e alegando possíveis ocorrências. Porém, não tem previsão de um conflito generalizado.

    Um alto militar italiano, Salvatore Farina, que assumiu este março o Comando Aliado das Forças Conjuntas da OTAN em Brunssum (Países Baixos), entrevistado pela agência de notícias BNS durante a sua visita a Vílnius, capital da Lituânia, fez comentários sobre a atividade militar russa na região do Báltico, chamando-a de “perigosa”. 

    “Por enquanto, não vejo possibilidade de uma guerra generalizada entre a Rússia e a OTAN”, falou, adicionando que a postura “perigosa” da Rússia na região “mais cedo ou mais tarde pode provocar uma ocorrência”.

    General da OTAN encontrava-se em visita a capital lituana no âmbito da preparação para a cúpula da organização em Varsóvia, em julho próximo.

    “A OTAN não tem intensões de agravar a situação em vista dessas ações. O nosso objetivo é proteger e resistir”, disse ele.

    Em meados do abril, o comando europeu dos EUA publicou fotos e vídeos, acusando a Força Aérea russa de que seus caças e helicópteros, alegadamente se aproximaram do destróier norte-americano USS Donald Cook. A parte estadunidense mostrou-se preocupada com o incidente, chamando tal postura de “pouco profissional e perigosa”. A representante do Pentágono disse que o Su-24 russo passou na altura menor de 10 metros acimo do navio.

    O porta-voz do Ministério da Defesa russo, por sua vez, disse que os Su-24 estavam realizando voos de rotina de treinamento, em conformidade com todas as normas internacionais de segurança, e que não houve agressividade por parte dos pilotos. Além disso, a pasta observou que as manobras do navio norte-americano ocorreram a alguns quilômetros de distância de uma base naval russa na região.

    Quanto a o novo comandante italiano da OTAN, que repercutiu as palavras do secretário de Estado norte-americano John Kerry, porta-voz da Casa Branca Josh Earnest e vários oficiais do Pentágono, ele assumiu Comando Aliado das Forças Conjuntas da OTAN em Brunssum há dois meses, em 4 de março, na cerimônia que contou com a presença de General americano Philip M. Breedlove, Comandante Supremo Aliado da Europa (SACEUR), de acordo com o comunicado à imprensa do escritório da Aliança na Holanda.

    Mais:

    Novamente? Avião espião dos EUA se aproxima de avião russo no Mar Báltico
    'Sem ilusões': Defesa antimísseis dos EUA é 'contra Rússia'
    Presidente da Lituânia admite presença de F-22 dos EUA no país
    EUA não devem ter ilusões sobre interesses estratégicos da Rússia
    EUA pressionam Rússia com destróier no mar Báltico
    Tags:
    navio de guerra, incidente, caça russo, aeronaves, destroier, cúpula, segurança, USS Donald Cook, Su-24, OTAN, Salvatore Farina, Josh Earnest, Philip Breedlove, John Kerry, Vilnius, Varsóvia, Mar Báltico, Lituânia, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik