12:43 12 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    595
    Nos siga no

    O presidente da Venezuela Nicolas Maduro declarou que as autoridades podem ocupar as usinas que não funcionam por causa das greves e prender os respectivos diretores.

    “Devemos tomar todas as medidas para restaurar o potencial produtivo paralisado pela burguesia”, afirmou Maduro durante um comício organizado por seus partidários em Caracas.

    O Polar Group,  maior produtor de bebidas e outros produtos alimentícios, suspendeu a produção de cerveja dizendo que a incompetência das autoridades tornou impossível a importação de cevada.

    No sábado (14), Nicolas Maduro prolongou o estado de exceção e emergência económica no país por mais 60 dias. Segundo ele, durante todo o período do estado de emergência foram adotados 21 decretos para estabilizar a situação social e resistir à guerra econômica, que pretensamente a oposição está fazendo contra as autoridades.

    A oposição condena o presidente por decretar o estado de emergência econômica de maneira a evitar um referendo de afastamento, a favor do qual foram coletadas 1,8 milhões assinaturas.

    A situação na Venezuela tornou-se crítica no contexto da crise institucional entre o poder executivo e legislativo, da falta extrema de mercadorias, inflação galopante e queda das receitas do Estado, causada pela baixa dos preços do petróleo.

    Maduro tornou-se presidente em 2013, depois da morte de Hugo Chávez. O seu mandato presidencial expira em 2019.

    Em janeiro passado, o governo venezuelano decretou o estado de emergência económica, que ainda se mantém.

    Tags:
    greve, referendo, Nicolas Maduro, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar