23:41 17 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Presidente da Argentina, Mauricio Macri, na cerimônia de inauguração de seu mandato na Casa Rosada, 10 de dezembro de 2015

    Argentinos perderam quase 90 mil empregos formais desde a posse de Macri

    © AFP 2019 / JUAN MABROMATA
    Mundo
    URL curta
    512

    Cerca de 89.267 trabalhadores perderam seus empregos na Argentina desde que o presidente Mauricio Macri tomou posse no último dia 10 de dezembro, de acordo com a União de Asseguradores de Riscos do Trabalho (ART) do país latino-americano.

    De acordo com informações publicadas pelo jornal El Destape Web, dados da Superintendência de Riscos Ocupacionais, órgão que controla as empresas do setor, estão desatualizados, mas aqueles que foram publicados pela entidade também mostraram uma diminuição de 45 mil postos de trabalho entre dezembro e janeiro.

    De acordo com o relatório da ART, o número de segurados era de 3,5 milhões em 1996, quase 4,6 milhões em 2003 e 9.869.790 em dezembro do ano passado, quando terminou o mandato da presidente Cristina Kirchner. Em março, a cobertura atingia 9.780.163 funcionários. Os dados de abril ainda não estão disponíveis.

    Rodrigo Puertolas, diretor da Associação Argentina de Produtores de Seguros (AAPAS), indicou que os dados refletem uma contração do setor formal do mercado de trabalho, um fator negativo que preocupa os agentes econômicos nacionais e que se soma à queda do consumo.

    Nos cinco meses de mandato de Macri, houve uma onda de demissões no setor público e privado, que deixou pelo menos 141.542 trabalhadores desempregados, o que significa uma média de mil demissões por dia, segundo a TeleSur.

    Desde a chegada do novo presidente, também, a população pobre aumentou 5,5 por cento, o que representa 1,4 milhão de novos pobres no país sul-americano.


    Mais:

    Greve: Professores argentinos vão às ruas protestar contra Macri
    Milhares de argentinos vão às ruas em protesto contra política do Governo
    Intelectuais argentinos enviam carta para Macri e falam em violações dos direitos humanos
    Consumidores argentinos vão à Justiça contra novo tarifaço, agora no gás
    ​Cristina Kirchner convoca organizações sociais a defender emprego dos argentinos
    Não ao ‘ajuste de Macri’: Funcionários públicos argentinos resistem à ameaça neoliberal
    Tags:
    mercado de trabalho, demissões, emprego, postos de trabalho, empregos formais, pobres, pobreza, Cristina Kirchner, Mauricio Macri, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar