11:20 25 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Empresário russo Viktor Bout

    Juíza americana reconhece ‘inadequada’ sua sentença sobre russo preso por tráfico de armas

    © AFP 2019 / NICOLAS ASFOURI
    Mundo
    URL curta
    707

    A juíza federal estadunidense Shira Scheindlin reconheceu, falando sobre o julgamento do empresário russo Viktor Bout em 2012, que a sua sentença de "rigorosa demais" e "inadequada", informou o jornal The New York Times.

    "Bout era um ex-traficante de armas, mas no momento da detenção, ele ficou praticamente aposentado", afirmou Scheindlin.

    "Essa pessoa ficou metida no negócio, foi-lhe oferecido um monte de dinheiro. Eu lhe dei a pena mínima possível", disse a juíza federal, citada pelo jornal. Scheindlin, com 22 anos de experiência, se aposentou em 27 de abril.

    Ela observou que Viktor Bout "não era nem um militante, nem um terrorista da Al-Qaeda, que vivem somente para detonar bomba e matar civis em supermercado".

    A justiça americana, que funciona na base do conceito de precedente judicial, já possuía um veredito contra um traficante de armas, que estabeleceu o limite mínimo da pena de prisão em 25 anos. Por isso, segundo a legislação estadunidense, não poderia o condenar a um prazo menor, explicou Scheindlin ao jornal.

    De acordo com a esposa do empresário, Alla Bout, Shira Scheindlin realmente reconheceu que o caso contra o russo foi fabricado.

    "Tudo foi fabricado pela inteligência e promotoria americana para apresentar o caso de tal maneira que viole a legislação antiterrorismo dos EUA para que a juíza independente e intransigente não pudesse condenar Viktor a um prazo menor de 25 anos, mesmo sabendo que a sentença não correspondia à culpa", disse Alla Bout.

    Shira Scheindlin tem 69 anos. Juiz ou juíza federal é cargo vitalício nos EUA, mas a pessoa pode se aposentar por decisão própria. A aposentadoria de Scheindlin é ligada pelos analistas americanos à sua decisão de 2013 de ilegalizar as revistas de pessoas "suspeitas" nas ruas. Esta decisão provocou muita crítica na altura.

    Viktor Bout foi detido em Bangkok em março 2008, depois de uma provocação, organizada pela inteligência estadunidense: os informantes da CIA agiram como representantes do grupo Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) e conversavam com o russo em um hotel de Bangkok um possível contrato para o fornecimento de mísseis terra-ar portáteis que, supostamente, necessitavam para "destruir helicópteros norte-americanos na Colômbia".

    Com base na gravação das negociações, o empresário russo foi extraditado da Tailândia para os Estados Unidos, onde foi acusado de "preparação de conspiração com motivo de matar cidadãos americanos”. O júri de Nova York o reconheceu culpado de todas as acusações. A juíza federal determinou a sentença de 25 anos de prisão.

    "A culpa de Bout não foi provada, ele simplesmente foi condenado para o prazo de 25 por intenção, o que também não foi confirmado. O caso inteiro desde o início até o final foi politizado <…> Vamos continuar os nossos esforços e apoiar os advogados de Bout para rever o caso. О procedimento de apelação está em andamento. Vamos continuar fazendo tudo possível para devolver Viktor à Rússia. Tem poucos mecanismos de direito internacionais para fazê-lo, mas vamos continuar tentar usá-los", disse Konstantin Dolgov, representante especial para os Direitos Humanos do Ministério russo das Relações Exteriores da Rússia, à emissora Rossiya 24.

    Mais:

    EUA impõem sanções à Coreia do Norte por tráfico de armas
    Alerta: faltam policiais para o combate ao tráfico de armas e drogas no Brasil
    Rio usa 2,5 mil agentes em operação especial contra o tráfico de drogas e armas
    Tags:
    condenação, armas, traficante, russo, sentença, julgamento, CIA, Al-Qaeda, FARC, Konstantin Dolgov, Tailândia, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar