22:46 22 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    7232
    Nos siga no

    Há uma tendência: quando se trata da crise na Ucrânia, culpar pelo caos nesse país o “James Bond” mais óbvio do mundo, Vladimir Putin, escreve City A.M., um jornal de Londres.

    A Ucrânia tem mostrado recentemente a tendência de culpar o presidente russo de todas as coisas ruins que acontecem no país.

    “Entretanto, a causa do disfuncionamento não é ele”, escreveu o jornalista John Hulsman no City A.M.

    De acordo com o autor, na Ucrânia Putin fez “uma aposta política sábia”, prevendo que a elite ucraniana, corrompida e incompetente, nunca atacaria em conjunto, e ele poderia simplesmente congelar o conflito, considerando a Ucrânia como um sinal que mostra aquilo que pode acontecer em outros países da sua esfera de influencia no caso se eles desejarem ficar do lado do Ocidente.

    Com a derrota do presidente Viktor Yanukovich, Putin perdeu na Ucrânia um satélite indolente. Mas já era demasiado tarde quando ele realizou que os novos governantes em Kiev eram tão corrompidos e estúpidos quanto os anteriores, sem ter nenhuma perspectiva de democracia e prosperidade para a Ucrânia.

    “A economia da Ucrânia segue sendo um beco sem saída, com a sua elite corrompida de oligarcas, que não desejam ou não podem implementar reformas estruturais sérias, sem as quais Putin pode ter uma Ucrânia do fracasso, pois não há demonstração efetiva de uma vida alternativa que ameaça o seu regimento”, escreveu o jornal.

    “Analistas fracassaram ao olhar por que [países tais como a Ucrânia] estavam maduros o bastante como para serem aproveitados no primeiro lugar, e que são os problemas endêmicos, intratáveis, e não a presença de forças agressivas no mundo, que os condenarão no mínimo à fraqueza”.

    “Devemos ter cautela para não apoiar países que não têm nenhum desejo de ajduar a si próprios”, escreveu o jornal na conclusão.

    Tags:
    oligarquia, elite, Vladimir Putin, Rússia, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar