09:04 03 Março 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    1873
    Nos siga no

    O presidente da Venezuela Nicolás Maduro afirmou que não se oporá ao referendo sobre a cassação do seu mandato presidencial - se o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) validar as planilhas com 1,85 milhão de assinaturas, quase dez vezes mais do que as 195.721 exigidas para solicitar o início do processo de consulta, informa a agência France Presse.

    No dia anterior, as 80 caixas com planilhas foram entregues ao CNE pela opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD), que controla o Parlamento. Segundo o seu representante nesse órgão eleitoral, Vicente Bello, a oposição prevê que as assinaturas para ativar o referendo contra o presidente Nicolás Maduro começarão a ser revisadas hoje (4).

    “Se nessa segunda etapa eles (CNE) digam, que as assinaturas foram devidamente coletadas, passamos a referendo, e pronto”, comentou essa iniciativa presidente venezuelano pela rádio poucas horas antes de CNE começar as tramitações necessárias.

    O CNE ainda não comentou sobre quando começará o processo de verificação, nem sobre os prazos.

    Segundo a legislação, o CNE tem cinco dias para revisar as planilhas e depois convocar os signatários a ratificar seu apoio com a impressão digital em outros cinco dias. Só depois deste procedimento é que se autorizará a coleta de quatro milhões de assinaturas exigidas para convocar o referendo.

    Para revogar o mandato de Maduro no referendo, é necessário obter mais dos 7,5 milhões de votos, com os quais foi eleito após a morte do seu antecessor, Hugo Chávez, em 2013. Se a oposição conseguir o resultado desejado no referendo ainda este ano, as eleições presidenciais antecipadas deverão ser marcadas. Se o processo demorar até 2017, Aristóbulo Istúriz Almeida, atual vice do Maduro o substituirá no poder até o próximo plebiscito regular em 2019.

    Mais:

    Maduro aumenta em 30% o salário mínimo na Venezuela
    Nicolás Maduro: Impeachment de Dilma é golpe parlamentar
    Venezuela pede ajuda internacional para combater consequências da seca
    De Cuba à Argentina, países da América Latina repudiam golpe de Estado no Brasil
    Tags:
    referendo revogatório, Nicolás Maduro, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar