18:44 03 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    161
    Nos siga no

    O ex-presidente do Iêmen, Ali Abdullah Saleh, disse que não há diferença entre as autoridades da Arábia Saudita e os grupos extremistas como a Al-Qaeda e Daesh.

    No final de março de 2015, uma coalizão internacional liderada pela Arábia Saudita (sunita) lançou uma campanha de bombardeios contra as posições dos rebeldes xiitas houthis no Iêmen e com apoio dos EUA e de países europeus. Mais de três mil civis teriam sido mortos em decorrência desses ataques, segundo dados das Nações Unidas. De acordo com os rebeldes, no entanto, esses números seriam três vezes maiores. Ao mesmo tempo, o grupo terrorista Al-Qaeda tomou sob controle várias partes do território. 

    "Isso tudo acontece perante os olhos do regime saudita. Eles dizem ao mundo que não querem entender nada: 'Somos contra a Al-Qaeda’. Que Al-Qaeda,  que Daesh? Eles são o Daesh. Eles são a al-Qaeda. Todo o mundo sabe o que este regime representa", disse Saleh ao canal televisivo RT em uma entrevista divulgada neste sábado (30).

    O conflito armado no Iêmen continua desde 2014, entre forças do governo liderado pelo presidente sunita Abd Rabbuh Mansur Hadi e os rebeldes xiitas houthis, apoiados por unidades militares leais ao ex-presidente Ali Abdullah Saleh, zaidita (xiita).

    Em 10 de abril o cessar-fogo entrou em vigor no país. Uma nova rodada das negociações apoiadas pela ONU sobre a reconciliação do Iêmen começou em 21 de abril no Kuwait.

    Mais:

    800 terroristas da Al-Qaeda são liquidados no Iêmen
    ONU confirma cessar-fogo no Iêmen e anuncia negociações de paz em Riad
    UNICEF: diariamente seis crianças morrem no Iêmen
    Atentados no Iêmen deixam 22 mortos: Daesh reivindicou a autoria
    Tags:
    terrorismo, Daesh, Al-Qaeda, Ali Abdullah Saleh, Iêmen, Arábia Saudita
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar