00:09 26 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Portões em frente ao Ministério da Defesa da Rússia

    Ministério da Defesa da Rússia responde a declarações do Pentágono

    © Sputnik / Evgeny Byatov
    Mundo
    URL curta
    25652

    O Ministério da Defesa respondeu às declarações do Pentágono sobre uma suposta interceptação "perigosa" e "pouco profissional" de um avião militar americano por um caça russo sobre o mar Báltico.

    A porta-voz do Pentágono havia dito que um avião americano RC-135 fora interceptado por um Su-27 sobre o mar Báltico de maneira pretensamente "insegura e pouco profissional". Ao mesmo tempo, o Pentágono não esclareceu o que se entende por aproximação de maneira "insegura e pouco profissional".

    "Nós já começamos a nos acostumar aos ressentimentos dos representantes do Pentágono no que diz respeito a manobras "pouco profissionais" dos nossos caças durante as interceptações de aviões de reconhecimento americanos junto às fronteiras russas", afirmou no sábado (30) o porta-voz do Ministério da Defesa da Rússia, major-general Igor Konashenkov.

    "Todos os voos de aviões russos são realizados de acordo com as regras de utilização do espaço aéreo", disse o representante do Ministério.

    "Ao mesmo tempo, queremos chamar a atenção para o seguinte: o avião de reconhecimento RC-135U tenta sempre aproximar-se da nossa fronteira com o transponder desligado. Portanto, as forças de defesa antiaérea têm que colocar um caça no ar para que possamos identificar visualmente o tipo de aeronave e o seu número de bordo", acrescentou Konashenkov.

    Segundo ele, "este problema da Força Aérea dos EUA tem duas soluções: ou não voarem perto das nossas fronteiras, ou ligarem o transponder para identificação automática pelos nossos radares…".

    Mais:

    OTAN intensifica presença militar no Báltico
    EUA pressionam Rússia com destróier no mar Báltico
    Tags:
    interceptação, Su-27, caça, Ministério da Defesa (Rússia), Pentágono, Igor Konashenkov, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik