10:12 19 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Moeda de rublo em frente ao Kremlin, em Moscou

    Especialista em economia: ‘Não, Rússia não está em declínio’

    © AFP 2017/ Alexander Nemenov
    Mundo
    URL curta
    182282281

    Várias especialistas ocidentais continuam repetindo a mesma coisa – sobre a queda da economia russa – mas na realidade a situação é diferente, escreveu um analista do Financial Times (FT).

    Simon Saradzhyan, colunista do jornal americano Financial Times (FT) e também funcionário da Universidade de Harvard, estudou dados do Banco Mundial, Instituto Internacional de Estocolmo de Pesquisa de Problemas Mundiais e chegou à conclusão de que a maioria deles mostram o crescimento do potencial russo em comparação com o dos EUA, Reino Unido, França, Alemanha e Itália.

    As economias destas últimas, muito pelo contrário, estão em queda, notou o especialista.

    “A pesquisa dos dados sugere que a Rússia acaba de crescer em comparação com alguns dos seus concorrentes ocidentais”, escreve.

    Saradzhyan, em particular, chamou a atenção ao fato de que nos últimos 15 anos a participação russa no PIB mundial aumentou 23%, enquanto o mesmo indicador dos EUA e países europeus caiu. Além disso, a Rússia aumentou o seu consumo de energia, o que também denota uma dinâmica positiva no crescimento econômico.

    "O tamanho da Rússia, os seus recursos e o potencial bélico lhe permitem continuar sendo o jogador mundial, que no futuro próximo continuará influindo no mundo ocidental e na ordem mundial em geral, o que significa que ela deve ser tratada de forma correspondente", concluiu o especialista.

    A questão da situação econômica continua atual tendo em conta as sanções antirrussas introduzidas contra certos indivíduos e empresas em 2014.

    O autor do FT nota que as dificuldades relacionadas a estas medidas econômicas não podem destruir o crescimento conjunto do poderio nacional russo atingido desde 1999 ou perder o seu papel na política internacional.

    Tags:
    especialistas, opinião, economia, Financial Times, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik