01:14 02 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    291
    Nos siga no

    As declarações do candidato republicano Donald Trump sobre o desejo de estabelecer boas relações com a Rússia encoraja, acredita o chefe da Comitê de Assuntos Interacionais do Conselho da Federação da Rússia, Konstantin Kosachev.

    O presidenciável americano Donald Trump, do partido Republicano, apresentou pela primeira vez o seu programa de politica externa. “Tenho uma impressão dupla depois de discurso dele: muito discurso elevado e metas altas, que realmente não explicam como o candidato pretende implementar as declarações na prática", escreveu Kosachev na sua página no Facebook nesta quinta-feira (28).

    O senador apreciou o fato de que Trump espera "de coexistir em paz e amizade com a Rússia e a China".

    De acordo com Kosachev, a Rússia segue a politica pragmática de reconhecimento dos problemas existentes entre os países, mas tem o entendimento de que eles não devem ser adversários, e tem que achar a "plataforma de cooperação baseada nos interesses comuns". Ao mesmo tempo, ele chamou de "um erro serio a tentativa de construir as relações com Rússia de ponto de vista da força, que não permite achar interesses comuns".

    "Atraíram a atenção as palavras de Trump de que se ele não conseguir achar a linguagem comum no dialogo com as autoridades russas, ele imediatamente vai sair da mesa de negociações. Na minha opinião, esta declaração é importante. Literalmente, ele disse: ‘Se nós, sob a minha liderança, não formos capazes de fechar um acordo, um acordo que seria não somente grande para a América, mas também bom para a Rússia’, ele deixará a mesa de negociações. Na minha opinião esta atitude é mais otimista do que pessimista, como interpretaram as palavras e Trump muitas analistas", diz a pagina do senador.

    Kosachev também recordou as declarações do atual presidente dos EUA, Barack Obama, bem como dos adversários do republicano na corrida eleitoral.

    "Recentemente, o presidente Barack Obama lamentou que Moscou `considera a OTAN e UE como uma ameaça ao poder russo`, o que ele, pessoalmente, considera como um erro. Mas, na verdade, o que impede ao líder ocidental de tirar as dúvidas de Moscou sobre o fortalecimento da aliança perto das suas fronteiras parando as atividades militares? Em vez disso, a OTAN está ampliando a sua presença na Europa Oriental e aumentando o orçamento militar dos países membros.  Qual é nossa culpa quando vemos uma ameaça ", acrescentou ele. 

    O senador também lembrou a declaração da presidenciável Hillary Clinton, que disse que a OTAN parou a agressão russa.

    "Então, podemos ver que ‘a agressão russa’ não apenas existe, mas, ao mesmo tempo, foi parada com êxito pelos esforços da OTAN e o inimigo nunca vai passar", escreveu ironicamente o senador.

    Kosachev propôs às autoridades estadunidenses de seguir o conselho de Trump e tentar achar a "plataforma de cooperação baseada nos interesses comuns”.

    Mais:

    Trump promete estreitar laços com Rússia se for eleito
    Clinton e Trump continuam à frente nas primárias nos EUA
    Trump: Aliados de Washington não devem mais levar vantagem às custas dos EUA
    Tags:
    interesses, negociações, coexistência, cooperação bilateral, política externa, União Europeia, OTAN, Hillary Clinton, Donald Trump, Konstantin Kosachev, China, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar