15:56 22 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    10191
    Nos siga no

    A representante da chancelaria chinesa criticou a tentativa da União Europeia de intervir nos assuntos de Hong Kong.

    A representante oficial do Ministério das Relações Exteriores da China, Hua Chunying, chamou de infundada a crítica da União Europeia em relação à política da China na Região Administrativa Especial (RAE) de Hong Kong e convocou Bruxelas a não intervir nos assuntos da região.

    A reação do Ministério das Relações Exteriores surgiu após a publicação do décimo oitavo relatório anual sobre o desenvolvimento político e econômico de Hong Kong e Macau em 2015. A União Europeia considerou o ano passado como politicamente complicado para o país, no que se refere ao funcionamento segundo o princípio “um país-dois sistemas”. Também foi assinalado o fracasso da reforma do sistema de eleições.

    Além disso, Bruxelas disse que classifica o caso do desaparecimento dos cinco editores de Hong Kong como “o desafio mais sério” para o funcionamento da lei de Hong Kong e para o princípio “um país-dois sistemas”. No relatório diz-se que o caso desperta preocupação no que tange ao respeito dos direitos humanos fundamentais. 

    Por sua vez, Hua Chunying disse durante um briefing: “A opção da China pelo princípio ‘um país-dois sistemas’ nunca será mudada. Comentários despropositados, como os que foram feitos no relatório da União Europeia, não têm justificação. Expressamos um protesto vigoroso”, disse. 

    A representante oficial do Ministério acrescentou que Hong Kong é uma região administrativa especial da China e que as questões ligadas a essa área são da competência da China. Nenhum país tem o direito de intervir nelas.

    Mais:

    China tenciona comprar 1% do território da Austrália
    Aquecimento global favorece a China
    Tags:
    intervenção estrangeira, representantes, reação, Ministério das Relações Exteriores, Hua Chunying, UE, Bruxelas, Hong Kong, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar