02:00 25 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Alegado assassino do piloto russo Alparslan Celik

    Chancelaria russa não responderá à carta de assassino de piloto russo

    © Foto: Youtube/Sinan Syr
    Mundo
    URL curta
    2171

    A representante oficial da chancelaria russa, Maria Zakharova, comentou vários materiais publicados em redes sociais como a carta de Alparslan Celik, alegado assassino do piloto russo Oleg Peshkov.

    Na carta endereçada a Zakharova, o militante alegadamente apela a Rússia para o diálogo.

    “O mais importante é o diálogo. Não importa como será iniciado ou se serei eu ou não a lançá-lo. O mais importante é iniciar”, diz-se na carta, segundo o canal russo REN TV.

    Zakharova disse que viu a carta, mas que não será possível responder.

    “Vimos algumas informações em redes sociais, indiretas e não oficiais. Por isso, não podemos responder a tais mensagens”, disse Zakharova aos jornalistas.

    Zakharova chamou a atenção para o fato de a Rússia esperar informações oficiais.

    “Quanto ao ‘caso Celik’ interessa-nos o seguinte: as suas declarações finais claras e detalhadas sobre o seu envolvimento no assassínio do piloto russo, a cronologia dos eventos, os participantes e detalhes do acontecido, as provas. É necessário tornar tudo isso público (uma vez que primeiramente foi escolhida esta forma de comunicação) e, de acordo com a legislação turca, dando testemunhos de acordo com aquilo que a parte turca oficialmente passou para a Rússia. As suas declarações pessoais públicas e os testemunhos para órgãos policiais devem corresponder umas às outras, para evitar interpretações duplas, provocações e especulações“, sublinhou.

    Alparslan Celik, cidadão turco e membro de um dos grupos armados que lutam contra o governo da Síria, reivindicou o assassinato do piloto russo Oleg Peshkov, que foi morto a tiros quando descia de paraquedas após seu Su-24 ter sido derrubado por caças turcos no espaço aéreo sírio.

    O tribunal da cidade de Izmir (oeste da Turquia) deteve Celik sob acusação de armazenamento e porte ilegal de armas.

    As relações entre a Rússia e a Turquia se agravaram após 24 de novembro de 2015, quando um caça turco F-16 abateu um bombardeiro russo Su-24 no céu da Síria.

    Vladimir Putin classificou o abate como “um golpe nas costas” por parte de pessoas que apoiam os terroristas e assinou um decreto sobre a aplicação de restrições especiais contra a Turquia.

    Tags:
    chancelaria, carta, assassinato, piloto, Maria Zakharova, Alparslan Celik, Turquia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik