18:29 21 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Barack Obama discursa na Casa Branca em companhia de Angela Merkel, 9 de fevereiro de 2015

    Obama descarta sugestão de Merkel sobre ‘zonas de segurança’ na Síria

    © REUTERS/ Gary Cameron
    Mundo
    URL curta
    998032

    O presidente dos EUA, Barack Obama, afirmou que é muito difícil e pouco prático estabelecer as chamadas zonas de segurança na Síria.

    O Presidente Barack Obama afirmou, neste domingo, que não apoia o estabelecimento das chamadas zonas de segurança na Síria, já que seria necessário grande contribuição militar.

    “Como questão prática, infelizmente, é muito difícil ver como seria essa operação de modo que não envolvesse uma grande operação militar nossa naquele país”, declarou Obama em uma entrevista coletiva conjunta com a chanceler alemã, Angela Merkel, exibida pelo canal TRT World.

    O comentário de Obama vem um dia depois de Merkel pedir a criação de zonas de segurança na Síria, onde pessoas desalojadas poderiam ter sua segurança garantida.

    O porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest, afirmou na sexta-feira que seria difícil implementar as tais zonas de segurança na Síria e que uma medida assim não estaria alinhada com os interesses de segurança nacional de Washington.

    Em fevereiro, o secretário americano de Estado, John Kerry, disse que o governo estava considerando a criação de zonas de segurança em áreas na fronteira da Síria com a Turquia. Kerry também apontou, contudo, que tal iniciativa exigiria mais soldados americanos na Síria e que isso seria “complicado”.

    Mais:

    'Envio das tropas terrestres está fora de questão', diz Barack Obama
    Britânicos criticam Obama por causa de sua posição sobre União Europeia
    Evo Morales acusa Obama de dividir Aliança Bolivariana
    Obama pede que Putin exerça maior pressão sobre Bashar Assad
    Tags:
    militares, operação militar, terrorismo, segurança, Angela Merkel, Barack Obama, Síria, Alemanha, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik