09:50 18 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Barack Obama, presidente dos EUA

    'Envio das tropas terrestres está fora de questão', diz Barack Obama

    © REUTERS/ Jonathan Ernst
    Mundo
    URL curta
    Síria depois de Palmira (73)
    1284006

    Barack Obama se pronunciou contra o envio das tropas terrestres da coalizão americana para a Síria.

    O presidente dos EUA, Barack Obama, descartou a possibilidade de implantar tropas terrestres da coalizão liderada pelos EUA para derrubar o regime do presidente sírio, Bashar Assad.

    "Seria um erro para os Estados Unidos ou para o Reino Unido <…> enviar tropas terrestres e derrubar o regime de Assad", disse Obama à BBC em uma entrevista publicada neste domingo (24).

    O líder dos EUA instou a comunidade internacional para usar a sua influência nas partes do conflito de cinco anos para "que se sintam à mesa e tentem mediar a transição" do poder, porque a solução unicamente militar não resolverá os problemas de longo prazo da Síria.

    Ele acrescentou que os terroristas do Daesh (grupo terrorista proibido na Rússia) que estão operando no país devastado pela guerra não seriam derrotados até o fim deste ano, mas a coligação poderia diminuir gradualmente a área da sua operação na Síria.

    "[A coalizão vai continuar] atacando o Daesh em lugares como Raqqa e vai tentar isolar estas partes do país e bloquear aquelas que são usadas para passagem de militares estrangeiros para a Europa", prometeu o presidente americano.

    A Síria está em guerra civil desde 2011, com as forças governamentais lutando contra as inúmeras fações de oposição, incluindo as forças "moderadas" apoiadas pelos países ocidentais e contra os grupos terroristas Daesh e Frente al-Nusra (ambos são proibidos na Rússia).

    Tema:
    Síria depois de Palmira (73)

    Mais:

    Obama pede que Putin exerça maior pressão sobre Bashar Assad
    Fonte: a trégua na Síria parece estar acabada
    Tags:
    tropas terrestres, guerra civil, Daesh, Frente al-Nusra, Barack Obama, Síria, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik