15:42 20 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    A cidade de Hiroshima, 1948

    Prefeito pressiona Obama para pedir desculpas por bombardeio de Hiroshima

    © AFP 2019 / STF
    Mundo
    URL curta
    1061

    O prefeito da cidade japonesa de Hiroshima, Kazumi Matsui, disse nessa quinta-feira (21) que não iria exigir oficialmente um pedido de desculpas do presidente dos EUA Barack Obama durante a visita dele à cidade, que foi bombardeada pelas Forças Aéreas dos Estados Unidos durante a Segunda Guerra Mundial, informou a mídia local.

    O Japão receberá a reunião dos líderes de Estados durante a cúpula de G7 na ilha de Kashiko em maio deste ano. Obama assistirá ao encontro. As autoridades japonesas pediram o presidente americano para visitar Hiroshima, que poderia ser a primeira visita de um presidente norte-americano após o bombardeamento da cidade japonesa com uma bomba atômica em 1945.

    Como informou a agência de notícias Kyodo, o prefeito Matsui expressou a expectativa que Obama não somente visite os memoriais dos tempos da guerra, mas também viaje para Hiroshima para falar com as pessoas que sobreviveram o bombardeio.

    "Claro que queremos levantar a questão da responsabilidade", disse Matsui aos jornalistas. "Mas o bombardeio aconteceu há 70 anos e as gerações seguintes têm que lidar com este problema".

    Em agosto passado, o Japão marcou o 70º aniversário do bombardeio. Em 6 de agosto de 1945, o bombardeiro estadunidense B-29 lançou uma bomba atômica encima de Hiroshima, matando cerca de 140 mil pessoas. A segunda bomba que foi lançada três dias depois na cidade de Nagasaki matou 70 mil pessoas, forçando o Japão a declarar sua capitulação.

    Mais:

    Obama deveria visitar Hiroshima, admite o secretário de Estado dos EUA
    Kerry pode prestar visita histórica ao Parque Memorial da Paz de Hiroshima
    Sobreviventes das bombas dos EUA sobre Hiroshima e Nagasaki lembram o agosto de 1945
    Tags:
    bombardeio nuclear, bomba atômica, Segunda Guerra Mundial, G-7, Barack Obama, Hiroshima, Nagasaki, EUA, Japão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar