15:15 06 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Redação da Sputnik na Turquia

    Exclusivo: chefe da redação turca da Sputnik conta como foi deportado

    © Sputnik /
    Mundo
    URL curta
    615
    Nos siga no

    Tural Kerimov, que na noite passada foi proibido de entrar na Turquia, partilhou os detalhes com a Sputnik.

    Após a justiça de Ancara ter bloqueado, na semana passada, o acesso à versão turca do site da agência de notícias russa Sputnik, o governo da Turquia também resolveu proibir a entrada no país do chefe de redação desse site, Tural Kerimov, que teve todas as suas credenciais confiscadas no aeroporto de Istambul.

    Antes de levantar voo de volta a Moscou após a deportação, o nosso colega partilhou os detalhes do acontecimento, que vamos citar sem edição:

    "Eu atualmente estou na sala de espera do departamento de inspeção e controle de passageiros do aeroporto de Ataturk da cidade de Istambul. O voo já é conhecido, voo às 14h55 [08h55 em Brasília], o horário local coincide com a de Moscou, Aeroflot, o aeroporto de chegada é Sheremetyevo".

    "Literalmente 10 minutos atrás acabou o encontro com um representante do nosso consulado em Istambul, eu expliquei a situação, nós realizamos consultas e, em relação à proibição de entrada no país, eu tenho que deixar os limites da República da Turquia.

    Cheguei a Istambul hoje às 00h40, no voo 2134 de Aeroflot. No controle de passaportes, os guarda-fronteiras me pararam por 10 minutos, após o que me encaminharam para o departamento de inspeção e controle de passageiros, sem explicar as razões. Lá me detiveram por cerca de uma hora. 

    Quero sublinhar especialmente que os funcionários do aeroporto, policiais, serviços de alfândega, guarda-fronteiras são muito corteses, amáveis, amigáveis, tentam criar boas condições para a minha estadia aqui.

    Pediram-me que apresentasse todos os documentos que tinha comigo. Eu apresentei o talão de embarque do voo Moscou-Istambul, o passaporte da Rússia, a carteira de jornalista, que foi emitida em meu nome pela Administração-Geral da Imprensa e Informação da República da Turquia junto da administração do premiê turco, e a autorização de residência emitida Administração de Migração de Istambul. 

    Após isso, após as verificações e a espera, me notificaram que a minha entrada no país é indesejável. Quer dizer, em geral, a minha entrada está limitada. 

    Propuseram-me voltar no primeiro avião, eu pedi para que fosse um voo de Aeroflot, o primeiro voo de Aeroflot de hoje é às 14h55, como eu já disse. 

    Bom, vou dizer mais uma vez que acabou há pouco o encontro com o funcionário representante do nosso Consulado-Geral na cidade. Atualmente a informação é esta.

    No geral eu quero dizer que os funcionários do serviço de guarda-fronteiras têm toda a informação. No sistema deles apareceu a informação e eles realizaram as ações previstas nestes casos. As razões possíveis do acontecimento atualmente estão sendo estudadas pela nossa embaixada em Ancara, o Consulado-Geral em Istambul, os nossos diplomatas estão tomando todas as medidas necessárias para obter, vamos dizer, a informação que esclareça a situação. Os funcionários do aeroporto não a possuem, o que, em minha opinião, não é surpreendente.

    Na quinta-feira, às 8 horas da tarde, o domínio sputniknews.com foi bloqueado, e continua bloqueado até o momento.

    Eu quero dizer que todos nós, primeiramente eu, precisamos aguardar os resultados da investigação por parte dos nossos diplomatas, após o que, vamos dizer, será possível falar sobre quaisquer ações subsequentes, por minha parte, bem como em geral.

    Eu acho que é pouco provável que algo se altere até o momento, além da minha localização. Não vou dizer que isso foi algo totalmente inesperado para mim, mas que provocou alguma surpresa – é verdade."

    Mais:

    Autoridades turcas ainda não comentaram o bloqueio do site da agência Sputnik
    Tribunal turco aprova decisão das autoridades de bloquear a Sputnik
    Tags:
    jornalismo, Tural Kerimov, Turquia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar