15:12 21 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    O presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, é aplaudido pelo presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, antes de se dirigir aos eurodeputados em 13 de abril de 2016

    Mais austeridade e o dobro de refugiados para Portugal?

    © AFP 2019 / PATRICK HERTZOG
    Mundo
    URL curta
    1108
    Nos siga no

    A Comissão Europeia quer mais austeridade de Portugal. A necessidade de respeitar as metas europeias custaria ao governo uns 700 milhões de euros.

    A informação foi citada hoje pelo canal de televisão RTP, que se refere ao relatório da terceira avaliação.

    Xô Draghi! Notwelcome, reza este cartaz, usado por manifestantes do Bloco de Esquerda e movimento Rendimento Básico Incondicional, em Lisboa em 7 de abril de 2016
    © Sputnik / Cristina Mestre
    O valor total dos ajustamentos exigidos por Bruxelas equivale a 1.100 milhões de euros (cerca de 4.450 milhões de reais). No entanto, os ajustamentos já previstos pelo orçamento do Estado atingem somente 370 milhões de euros.

    A Comissão Europeia é um dos integrantes da assim chamada troika, da qual fazem parte também o Banco Central Europeu e o Fundo Monetário Internacional (FMI).

    Bruxelas já tinha destacado que o valor do ajustamento previsto no orçamento era inferior ao recomendado.

    Já aceitar as recomendações significa manter os cortes nos salários, prestações sociais e outras restrições que os portugueses não gostariam de sofrer.

    No entanto, ontem, na segunda-feira, o presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, anunciou que o país estava pronto não só para receber os 1.500 refugiados da Síria e da Eritreia previstos pela União Europeia, senão para duplicar este número, "se necessário for".

    Desta maneira, o chefe de Estado destaca que "é uma iniciativa exemplar, logo no dia em que assistimos a mais uma tragédia, que são tragédias diárias que ocorrem no Mediterrâneo, e que põem à prova tudo aquilo o que são os valores da Europa", disse Sousa, citado pelo jornal Público.

    O presidente, eleito e empossado em janeiro, teve um gesto polêmico ao convidar, há um pouco mais de uma semana, o primeiro estrangeiro na história a participar de uma reunião do Conselho de Estado. Foi Mario Draghi, o presidente do Banco Central Europeu. Naquela reunião, Draghi fez uma série de recomendações e críticas ao governo português de hoje, contrastando-o com o anterior, que tinha sido mais amigo da União Europeia.

    Mais:

    'Xô Draghi!' Lisboa contesta visita de presidente do Banco Central Europeu
    Daesh faz novas ameaças a Espanha e Portugal
    Conflito à vista: Portugal terá premier de esquerda e presidente de direita
    Henrique Neto, o dissidente que quer ser presidente de Portugal (Entrevista Exclusiva)
    Tags:
    refugiados, Comissão Europeia, Marcelo Rebelo de Sousa, União Europeia, Portugal
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar