13:19 11 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    15181
    Nos siga no

    A pressão da União Europeia, inclusive através de sanções, não poderá mudar o fato de que a Crimeia é agora uma parte integral da Federação Russa, afirmou o Ministério das Relações Exteriores da Rússia nesta quarta-feira.

    "Notamos com pesar que (o chanceler holandês) Bert Koenders, por inércia, continua acreditando que o regime ilegítimo de sanções — do ponto de vista do direito internacional — da UE pode mudar a decisão da liderança russa sobre a Crimeia. Mais uma vez reiteramos que Crimeia e Sevastopol são partes integrais da Federação Russa, e os métodos de pressão política e econômica insistentemente empregados pela União Europeia são absolutamente fúteis e não podem mudar esse fato", disse o ministério em comunicado oficial. 

    A Crimeia deixou de fazer parte da Ucrânia e foi reintegrada à Rússia em março de 2014, após um referendo no qual 96% dos habitantes da região votaram a favor da mudança. O documento, no entanto, não foi reconhecido pelos governos ocidentais nem pela Ucrânia, que, por sua vez, cortou conexões de ônibus, aviões e barcas e também o fornecimento de água, comida e eletricidade para a península.

    Mais:

    Primeiro pilar da ponte da Crimeia já está construído
    Autoridades da Crimeia comentam referendo holandês sobre associação da Ucrânia à UE
    Com mil empresas novas, empreendedorismo cresce na Crimeia
    Crimeia esnoba energia elétrica da Ucrânia: 'Não precisamos dela'
    Tags:
    sanções, referendo, União Europeia, Bert Koenders, Sevastopol, Sebastopol, Moscou, Europa, Holanda, Crimeia, Ucrânia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar