17:49 24 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Hillary Clinton, ex-secretária de Estado dos EUA e pré-candidata à presidência do país

    Opinião: Clinton deveria retirar sua candidatura após crítica sobre Putin

    © REUTERS / Mike Segar
    Mundo
    URL curta
    41504

    Um cientista político americano declarou que Hillary Clinton se permitiu dizer tais palavras sobre o presidente russo que não podem ser permitidas de um presidenciável americano.

    A declaração de Stephen Cohen foi feita durante a entrevista ao famoso jornalista americano Larry King.

    Stephen Cohen é especialista em assuntos da Rússia e professor emérito em Estudos Russos e Ciências Políticas na Universidade de Nova York.

    De acordo com ele, após Hillary Clinton ter feito um comentário em que comparou Vladimir Putin e Hitler, ela deveria retirar a sua candidatura das eleições. O comentário foi feito na primavera de 2014 (outono no hemisfério sul) e divulgado na mídia mundial. 

    Embora Clinton não tenha comparado as duas figuras diretamente, ela afirmou que a situação na Crimeia se assemelhava à situação dos anos 1930, quando Hitler anunciou a necessidade de proteger as minorias alemães na Tchecoslováquia e outros países.

    Na altura, bem como atualmente, Cohen chama a atenção à declaração de Hillary Clinton e sublinha que, ao fazer este comentário, ela perdeu o direito moral de participar das eleições presidenciais.

    O especialista argumenta a sua opinião pelo fato de que, se Clinton realmente "quis dizer exatamente o que disse", para ela como presidente isso teria consequências sérias, inclusive ele não pode compreender como seria possível realizar negociações com o presidente russo após tais palavras.

    Mais:

    ‘Superterça’ nos EUA: candidatos pavoneiam-se, a luta começa
    Trump usa imagem de Putin na sua campanha eleitoral
    Usando os mesmos métodos: Trump é criticado de forma provocadora
    Tags:
    opinião, corrida presidencial, Vladimir Putin, Hillary Clinton, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik