13:23 21 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Chefe das forças da OTAN na Europa, general Philip Breedlove

    General americano tenta causar máximo dano às relações OTAN-Rússia

    © REUTERS / Jonathan Ernst
    Mundo
    URL curta
    12220

    O general Philip M. Breedlove parece fazer tudo para destruir as relações já pouco fáceis entre a OTAN e a Rússia, opinou um especialista militar russo.

    De acordo com Sergei Koshelev, chefe do Departamento de Cooperação Internacional do Ministério da Defesa russo, o comandante da OTAN na Europa, Breedlove, faz declarações que só causam danos às relações entre a Rússia e a Aliança Atlântica:

    “Todas as declarações recentes [de Breedlove] parecem ter um único alvo – provocar o máximo dano às relações entre a Rússia e a OTAN para que seja extremamente difícil as restaurar”, disse.

    O especialista partilhou a sua opinião com a emissora russa Russkaya Sluzhba Novostei (Serviço de Notícias Russo).

    O general americano tem criticado a política externa russa, que chama de "agressiva”, avisando os EUA e a Europa de uma alegada "ameaça russa".

    No entanto, especialistas não só russos mas também de outros países têm dito que a opinião de Breedlove é infundada.

    Enquanto isso, o prazo dos poderes de Breedlove está chegando ao fim e o general americano será substituído no seu posto por Curtis Scaparrotti na primavera de 2016 (outono no hemisfério sul).

    As relações entre a aliança militar, liderada pelos EUA, e a Rússia deterioraram-se em 2014 quando a aliança suspendeu a cooperação com Moscou em abril, após a Crimeia ter se juntado à Rússia em março. A organização, entretanto, decidiu manter o trabalho no âmbito do Conselho Rússia-OTAN para manter o diálogo político aberto. Nos últimos dois anos, o Conselho se reuniu apenas três vezes.

    Mais:

    Será que U-2 da OTAN conseguirão espionar a Rússia?
    Vice-premiê russo responde acusações da OTAN sobre uso de armas imprecisas na Síria
    Tags:
    defesa, cooperação, diplomacia, OTAN, Philip Breedlove, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik