13:28 20 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Governo e milícias da Síria nos arredores de Al Qaryatayn

    Síria: cessar-fogo é violado 11 vezes em 24 horas

    © Sputnik/ Mikhail Voskresenskiy
    Mundo
    URL curta
    0 89516

    Informação é publicada em boletim diário do centro russo para reconciliação síria.

    O cessar-fogo na Síria foi violado 11 vezes nas últimas 24 horas, com a maioria das violações ocorrendo na província de Latakia, informou neste domingo o centro russo para reconciliação síria, localizado na base aérea de Hmeymim.

    “O regime de fim das hostilidades está sendo respeitado na maioria das províncias. Nas últimas 24 horas, 11 violações foram percebidas (sete em Latakia, três em Aleppo, uma em Damasco)”, diz o boletim das forças armadas russas.

    O número total de comunidades sírias em acordo com o cessar-fogo ganhou uma adesão e agora é de 57, informou o centro para reconciliação.

    “Um cessar-fogo foi firmado com os líderes de uma comunidade na província de Hama. O número total de comunidades onde acordos foram firmados para o cessar-fogo chega a 57”, diz o comunicado publicado no site do Ministério da Defesa russo.

    Acordos preliminares para cessar-fogo foram alcançados com outras duas comunidades nas províncias de Hama e Damasco, e ainda houve conversas com comandantes de dois grupos armados na província de Hama.

    O cessar-fogo, negociado por Rússia e Estados Unidos, entrou em vigor na Síria no dia 27 de fevereiro, com apoio de Damasco e de dezenas de grupos de oposição. O Daesh e a Frente Nusra não são parte do acordo.

     

    Mais:

    Pentágono treina militantes islâmicos na Síria
    Frente Nusra controla oposição síria perto de Aleppo
    Heróis entre nós: militar russo morto na Síria provou que coragem é realidade
    EUA planejam aumentar presença de suas forças especiais na Síria
    Tags:
    violação, cessar-fogo, Estado Islâmico, Frente Nusra, Daesh, Ministério da Defesa (Rússia), Rússia, Aleppo, Latakia, Hama, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik