06:18 21 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    Síria depois de Palmira (73)
    0562
    Nos siga no

    O militar russo Aleksandr Prokhorenko que foi morto na batalha em Palmira provou que heróis vivem entre nós.

    O militar de 25 anos de idade foi morto durante a operação de liberar a cidade síria de Palmira dos terroristas do Daesh. Prestava dados de inteligência e coordenados para a Força Aeroespacial russa para atacar instalações do Daesh.

    Prokhorenko ordenou aos seus colegas de realizar um ataque contra a sua posição depois que foi descoberto e cercado pelo Daesh.

    “Sem dúvida, podemos dizer que este homem é um herói. Habitualmente vemo-nos em filmes de Hollywood. Mas desta vez isso é real, sem música ou uma série de lutas. Foi somente um jovem que tinha toda a sua vida em frente dele e ele completou o seu dever”, diz-se no artigo publicado no site de notícias Boulevard Voltaire.

    O autor do artigo foi muito impressionado com as informações sobre a morte do militar na mídia russa.

    “A mídia internacional também elogiou o ato heroico do oficial militar russo, chamando Prokhorenko de Rambo russo. O fato de que o soldado russo ordenou lançar fogo de artilharia contra si próprio tornou-se uma sensação da mídia que foi publicada em todo o mundo”.

    Segundo o artigo, o fato mais importante é que o soldado russo deu um exemplo de como travar uma séria guerra contra o terrorismo.

    “Agora terroristas têm inimigo, inimigo real cujos soldados estão prontos para entrar e matar”, destaca-se no artigo.

    O exército sírio informou oficialmente em 27 de março sobre a liberação de Palmira dos militantes do Daesh com o apoio da Força Aérea e das milícias populares do país, bem como a Força Aeroespacial russa.

    O grupo jihadista destruiu parte da cidade, que é considerada Patrimônio da Humanidade pela UNESCO.

    Tema:
    Síria depois de Palmira (73)
    Tags:
    Rússia, Síria, Palmira, Daesh, militar, operação, herói, terrorismo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar