11:58 07 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Baikonur

    Uma viagem de tempo através do berço soviético de Universo

    © Sputnik / STR
    Mundo
    URL curta
    Dia do Cosmonauta em 2016 (13)
    5291
    Nos siga no

    O cosmódromo russo Baikonur construído em 1955 continua o maior do mundo.

    Visitar o local é semelhante a uma viagem no tempo, escreveu uma jornalista espanhola após ter esta chance.

    Teresa Guerrero partilhou da sua experiência no jornal El Mundo, dizendo:

    “Dizem que a cidade foi chamada de Baikonur para confundir os americanos, pois é exatamente o nome de uma povoação de mineiros que também está no Cazaquistão, mas em 300 quilômetros do cosmódromo”.

    Segundo notou a jornalista, a cidade continua guardando traços da época na qual foi construída, a soviética. Além dos edifícios de estilo clássico, monumentos, ruas e interiores de hotéis que parecem ser dos anos 1960 a Rússia continua realizando a maioria dos seus lançamentos espaciais além de treinar cosmonautas.

    Não obstante a sua localização geográfica muito favorável para lançamentos (porque é perto do equador), após a dissolução da União Soviética o Baikonur ficou no território exterior – o Cazaquistão. Por esta razão Moscou paga anualmente ao governo do Cazaquistão 115 milhões de dólares por alugar o território do cosmódromo. O contrato de renda continuará em vigor até pelo menos ano 2050.

    Enquanto isso, Baikonur não é único cosmódromo da Rússia, há outros, usados principalmente para fins militares: Plessetsk, Kapustin Yar e Svobodny, que será integrado no Vostochny (que atualmente está sendo construído).

    O primeiro lançamento de Vostochny localizado em 8 mil quilômetros de Moscou está previsto já para abril e, segundo a Roscosmos, os voos pilotados deste cosmódromo serão iniciados em 2019. 

    Tema:
    Dia do Cosmonauta em 2016 (13)

    Mais:

    Foguete russo leva à órbita sonda de monitoramento
    Tags:
    cosmódromo, Rússia, Cazaquistão, Baikonur
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar