01:05 19 Agosto 2019
Ouvir Rádio

    ONU dá apoio à Argentina na disputa com a Grã-Bretanha pela soberania das Ilhas Malvinas

    Mundo
    URL curta
    17142

    A Argentina recebeu um importante apoio internacional em sua disputa com a Grã-Bretanha a respeito da soberania do Arquipélago das Malvinas. A Organização das Nações Unidas apoiou o pleito para extensão dos limites da plataforma continental, reconhecendo a disputa pela soberania das ilhas, localizadas a 480 quilômetros da costa argentina.

    A decisão da ONU, que está sendo festejada pelo Governo argentino, reconhece os direitos da Argentina sobre a exploração dos recursos naturais de sua plataforma continental, de acordo com a Convenção do Mar de 2009. Com o aval, a Argentina aumenta em 35% sua fronteira marítima até o limite que se aproxima das Ilhas Malvinas, chamadas de Falklands pelos ingleses, e que foram palco de uma guerra entre os dois países de 2 de abril a 14 de junho de 1982.

    Denilde Holzhacker, professora da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) de São Paulo, diz que o anúncio da ONU é muito significativo para a Argentina.

    “Essa é uma comissão da ONU de especialistas que trata das fronteiras marítimas. É importante não só do ponto de vista econômico, como também reconhece que as Ilhas Malvinas são uma área de disputa, algo que a ONU não tinha feito até então. Para a Argentina é algo simbólico, porque agora ela consegue fazer novos pleitos em outros órgãos dentro da ONU e começar uma negociação com a Grã-Bretanha.”

    Para a especialista em políticas latino-americanas, do ponto de vista da Grã-Bretanha o aval da ONU fragiliza os argumentos de que as Ilhas Malvinas ou Falklands fazem parte da soberania britânica.

    “O Primeiro-Ministro David Cameron questionou a decisão da ONU, afirmando que ela é vinculativa, não significa que ela esteja dando aval à Argentina, e afirmou que a questão da soberania depende de uma consulta popular, que foi feita em 2011 com um resultado expressivo em que mais de 90% da população das ilhas preferem ficar sob a soberania britânica.”

    Segundo a professora da ESPM, outro elemento bastante importante para a Argentina é que o aval da ONU permite que o país possa explorar o mar nessa região, com direitos ao subsolo, uma área de exploração de petróleo.

    “É algo que provavelmente vai ser negociado com empresas que já atuam nessa região.”

     O conflito em torno das Malvinas começou quando tropas argentinas tomaram Port Stanley, a capital do arquipélago, em 2 de abril de 1982. A resposta da Grã-Bretanha foi imediata, deslocando para o Atlântico Sul uma força-tarefa com 28 mil homens, quase quatro vezes maior do que o contingente argentino.

    A luta foi desigual desde o início, não só pela superioridade numérica dos britânicos como também pela qualidade e quantidade de armamentos. No campo diplomático, a esquadra britânica recebeu toda a colaboração de inteligência e de logística dos Estados Unidos.

    No dia 25 de abril, tropas britânicas desembarcaram na Ilha Geórgia do Sul e prepararam a contraofensiva com o apoio logístico também da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN). Houve perdas pesadas de ambas as partes. Do lado argentino, o torpedeamento do cruzador “General Belgrano” causou a morte de 386 tripulantes. Os britânicos perderam o destróier “Shefield” e outros navios, além de alguns caças abatidos pela artilharia antiaérea. O avanço britânico cresceu em 21 de maio, com o desembarque de mais tropas no lado oriental das Malvinas, e prosseguiu até a rendição das tropas argentinas em 14 de junho.

    O saldo final dos combates para a Argentina foi de quase 1 mil mortos, um número não revelado de feridos, 102 aviões derrubados e oito embarcações afundadas. Os britânicos contabilizaram 255 mortos, 777 feridos, 34 aeronaves abatidas e 6 embarcações destruídas. O custo da campanha foi avaliado em US$ 5 bilhões. Politicamente, a Primeira-Ministra Margareth Thatcher consolidou seu poder de influência na Europa, e do lado argentino a derrota contribuiu para acelerar a queda da ditadura militar.

    Mais:

    Moradores das ilhas Malvinas se revoltam com o Papa Francisco
    Opinião: Grã-Bretanha fez das Malvinas um dos lugares mais militarizados do mundo
    Mercosul repudia exploração de petróleo pelo Reino Unido nas Malvinas
    Argentina embarga petrolíferas estrangeiras nas ilhas Malvinas
    Tags:
    relações internacionais, ESPM, ONU, Margareth Thatcher, Dehilde Holzhacker, David Cameron, Grã-Bretanha, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar