01:14 23 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Soldados sírios e agentes do destacamento Falcões do Deserto a 10 km de Palmira, Síria, 23 de março de 2016

    Sírios lutam contra Daesh em ruas de Palmira

    © Sputnik/ Mikhail Voskresensky
    Mundo
    URL curta
    Campanha militar antiterrorista na Síria (132)
    112407202

    Os grupos de assalto dos Falcões do Deserto lutam contra o grupo terrorista Daesh na parte oriental da cidade de Palmira, informou a RIA Novosti na quinta-feira (24).

    As forças principais do Exército sírio e a milícia popular consolidaram as suas posições ao redor de Palmira. A ofensiva é obstaculizada por causa de tempestade de areia.

    “Os terroristas recuaram dos jardins que estão situados na cidade, seguíamos os seus movimentos do alto. Para baixo na cidade alguns grupos de assalto realizam uma ofensiva. À noite alguns veículos com militantes fugiram na direção de Raqqa”, disse à RIA Novosti o comandante sênior do grupo de milícia.

    O Exército da Síria e a milícia popular expulsaram os terroristas do complexo de hotel de Palmira. Agora os soldados do Exército sírio fazem terroristas recuar ao centro da cidade de Palmira.

    Os terroristas resistem com fogo de morteiros e metralhadoras de grande calibre.

    Os Falcões do Deserto são um ramo do Exército Árabe da Síria que luta do lado do governo sírio, constituída na maioria por ex-oficiais do Exército sírio, além de veteranos e voluntários.

    A Síria está em estado de guerra civil desde 2011. O governo do país luta contra um número de fações de oposição e contra grupos islamistas radicais como o Daesh (também conhecido como “Estado Islâmico”) e a Frente al-Nusra.

    Palmira tem estado sob controle do Daesh desde maio de 2015. O grupo jihadista, o que é ilegal em muitos países, incluindo a Rússia, já destruiu uma parte da cidade antiga, que é Património Mundial da UNESCO.

    Tema:
    Campanha militar antiterrorista na Síria (132)
    Tags:
    combate, luta, Daesh, Palmira, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik