06:50 20 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Maria Zakharova, representante oficial do Ministério das Relações Exteriores russo, durante a entrevista coletiva semanal em Moscou, 10 de fevereiro de 2016

    Atentados em Bruxelas: 'Nenhum canto do mundo está a salvo', diz Zakharova à Sputnik

    © Sputnik/ Valery Melnikov
    Mundo
    URL curta
    Explosões em Bruxelas (40)
    111143160

    É necessário alterar as prioridades e combater a ameaça real do terrorismo, em vez de se concentrar em ameaças míticas e intrigas políticas por parte de agentes estatais, afirmou a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, em entrevista nesta terça-feira (22) à Rádio Sputnik.

    Expressando condolências ao povo da Bélgica e de outros países que podem ter sofrido perdas com os atentados terroristas de hoje, Zakharova disse que os ataques devem lembrar as pessoas de que nenhum lugar está a salvo do terrorismo.

    "Esta ilusão em que muitas pessoas estavam, de que há cantos seguros, onde as pessoas podem se sentir completamente seguras contra o terrorismo, é hora de acordar desta ilusão, não existem tais lugares", constatou a porta-voz da chancelaria russa à Radio Sputnik.

    ​Lamentando que a Rússia, por sua parte, tem bastante experiência em lidar com ataques terroristas em seu território, Zakharova argumenta que a única conclusão a que se pode chegar a partir deles é a de que os Estados devem aumentar sua cooperação mútua, a fim de prover a segurança e não o oportunismo político.

    "A razão para isto é a cadeia interminável de intriga política, em parte, na região do Oriente Médio nos últimos anos, quando, com um show de boas intenções, Estados foram destruídos e ninguém respondia para onde essas pessoas, que não têm dinheiro, nem casa, nem, para muitas delas, família, já que [a família] morreu em um conflito sem fim; [ninguém respondia para onde elas] deviam ir", falou a porta-voz.

    Ela acrescentou que a política externa da União Europeia e dos EUA nos últimos anos levou a uma perda no tempo que poderia ter sido usado para impedir ataques terroristas.

    "Uma grande quantidade de tempo foi desperdiçada e, infelizmente, muitas vidas foram perdidas. Precisamos entender que a única maneira de vencer e encontrar um antídoto para isto é a cooperação internacional global, sem quaisquer condições prévias, sem divisão em amigo-ou-inimigo", observou Zakharova.

    Em grande parte, continuou a representante russa, a presente situação é oriunda de prioridades equivocadas e de grandes quantidades de tempo e recursos perdidos em conceitos como nation-building [“construção de nações”] e mudança de regimes, bem como em ameaças sobretudo fictícias tais como a “informação transformada em arma” e a “guerra híbrida”, ao invés de se ter focado nas ameaças concretas, que se transformaram em ataques de verdade.

    “Informação transformada em arma” e “guerra híbrida” são duas expressões bastante repetidas pela retórica ocidental antirrussa para caracterizar a suposta atuação de Moscou em duas frentes teoricamente expansionistas: a guerra de informação midiática e o conflito na Ucrânia, no qual, segundo as acusações ocidentais, a Rússia estaria empregando soldados com e sem uniforme, bem como táticas variadas de desinformação, a fim de alcançar seus próprios objetivos políticos. 

    "Por que eles estão inventando certas ameaças míticas, que não existem, certas guerras híbridas e de informação, às quais eles acham maneiras de resistir e de destinar milhões de euros, ao passo que a ameaça está bem aqui, transportada em malas de viagem, a bordo de aviões, carregada em mochilas no metrô, deixada para trás em caixas perto de travessias de pedestres?", perguntou-se Zakharova na entrevista à Radio Sputnik.

    Para evitar novos ataques, portanto, concluiu a porta-voz do ministério russo, é necessário concentrar as prioridades sobre a ameaça real do terrorismo, o intercâmbio de informações e a cooperação, em vez de fomentar divisões e de criar ameaças fantasmagóricas supostamente encarnadas por atores estatais.

    Tema:
    Explosões em Bruxelas (40)

    Mais:

    Dia trágico em Bruxelas faz 34 mortos
    Putin: atentados de Bruxelas confirmam que terrorismo não tem fronteiras
    Explosão atinge estação de metrô em Bruxelas
    Primeiras imagens da explosão no aeroporto de Bruxelas (VÍDEO)
    Tags:
    nation-building, guerra híbrida, mudança de regime, conflito ucraniano, guerra midiática, ataques terroristas, ameaça terrorista, atentados, guerra de informações, cooperação, entrevista, ameaça, terrorismo, Rádio Sputnik, Ministério das Relações Exteriores, União Europeia, Sputnik, Maria Zakharova, Bruxelas, Bélgica, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik