05:34 17 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    1219
    Nos siga no

    O presidente ucraniano, Pyotr Poroshenko, promulgou a nova concepção de defesa nacional do país, segundo a qual “a Rússia é a maior ameaça para o país", de acordo com um comunicado no site oficial do presidente, publicado na quarta-feira (16).

    "Em conformidade com o documento, a ameaça mais real de curto prazo continuam sendo as ações agressivas da Rússia para esgotar a economia da Ucrânia, destruir a estabilidade político-social com o objetivo de destruir a Ucrânia e conquistar o seu território, o uso da força militar, bem como as tecnologias de guerra híbrida; a ocupação temporária da Crimeia pela Rússia e outras ações para desestabilizar a situação na região do Báltico, Mar Negro e Cáspio", diz o comunicado da presidência.

    Além disso, há ainda “o aumento de agrupamentos militares russos perto da fronteira nacional ucraniana e no território temporariamente ocupado, incluindo o deslocamento de armamento nuclear tático na península da Crimeia”. 

    Entre as tarefas que se colocam à Ucrânia, o documento prevê a adopção dos princípios e normas de segurança da OTAN e da UE, a implementação do "planejamento unificado e gestão de recursos usando as abordagens modernas europeia e euro-atlântica" e o reforço da cooperação com os serviços de inteligência dos estados-membros da OTAN.

    A península da Crimeia foi reintegrada ao território da Rússia em 2014 na sequência de um referendo em que 96% da população local, predominantemente de etnia russa, votaram a favor da reunificação. A decisão popular foi tomada após os protestos da Praça Maidan, em Kiev, terem culminado com a derrubada do governo eleito da Ucrânia, em fevereiro de 2014.

    Mais:

    Líder da Crimeia: Ucrânia que não tenha ilusões quanto à recuperação militar da península
    EUA aumentarão financiamento para treinar militares ucranianos
    ‘Poroshenko não se atreverá a cortar laços com a Rússia’
    Tags:
    Rússia, Ucrânia, Crimeia, ameaça russa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar