03:28 12 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Uma vista aérea de um navio de pesca de bandeira chinesa, na costa atlântica da Argentina nesta imagem tirada de vídeo, 14 de março de 2016

    Argentina afunda barco chinês por pesca ilegal

    © REUTERS / Argentine Naval Prefecture
    Mundo
    URL curta
    64919

    A guarda costeira disse que o barco pescava sem permissão a 1.300 quilômetros ao sul de Buenos Aires na terça-feira (16), isto é, havia penetrado na zona econômica exclusiva da Argentina. Depois de receber advertências, o barco apagou as luzes e tentou fugir para águas neutras.

    A pesca é um problema perene no Atlântico e no Oceano Austral, mas é altamente incomum que tais incidentes terminem com uma embarcação a ser afundada.

    O Ministério do Exterior da China disse em seu site que tinha recebido informações de que os 32 marinheiros chineses a bordo foram resgatados ilesos, quatro pela guarda costeira e os outros por barcos chineses nas proximidades.

    O capitão do barco será entregue à polícia argentina e julgado.

    Pequim "expressou grave preocupação por este incidente e apelou para a Argentina fazer uma investigação imediata e exaustiva, transmitindo os detalhes para a China", disse o porta-voz Lu Kang na quarta-feira (16).

    Os vizinhos de Pequim, Seul e Hanói, acusam muitas vezes os navios chineses de entrarem ilegalmente em suas águas.

    A Argentina anunciou em 2012 ter capturado dois navios chineses que efetuavam ilegalmente a pesca de lula na sua zona econômica exclusiva, depois de disparar tiros de advertência. Na época, os relatórios locais indicavam que a pesca chinesa ilegal foi muitas vezes facilitada por funcionários corruptos no governo e na guarda costeira argentina.

    Mais:

    Frota do Norte da Rússia inclui Atlântico Sul em rota de exercícios
    Incidente com navio turco: Na próxima vez, Rússia 'deve agir conforme' as leis do mar
    Tags:
    barco pesqueiro, Atlântico Sul, China, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik