05:11 20 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    0486
    Nos siga no

    A aviação militar americana mostra um declínio relativamente à russa e à chinesa e ficará para trás se nas próximas décadas se basear apenas nos F-35, escreve o analista Peter Layton na edição The National Interest.

    “Posso dizer francamente que a nossa anterior supremacia aérea está em declínio… Isto é um problema não só da Frota do Pacífico, isto é importante também na Europa e, em geral, em todo mundo. Elas [a Rússia e a China] estão a diminuir a diferença que as separava de nós”, diz o comandante da Força Aérea dos EUA na Europa, general  Frank Gorenc, citado pela edição. 

    Os investigadores da corporação RAND estão apreensivos: 

    "A China continua aumentando o potencial da sua aviação, o que complica extremamente as tarefas dos EUA… Dado o ritmo atual de desenvolvimento militar dos EUA, o equilíbrio de poder militar na região da Ásia-Pacífico não é a favor da América".

    Os obsoletos americanos F-15, que constituem a base da Força Aérea, têm cada vez mais dificuldade de resistir às novas aeronaves russas e chinesas, em particular, ao caça multipropósito de geração 4 ++ Su-35, que os aviões americanos não são capazes de ultrapassar, mesmo após a modernização do radar AESA (ed: radar com antena de varredura eletronicamente ativa).

    Sukhoi Su-35
    © Foto / Sukhoi Company
    Sukhoi Su-35

    Os caças F-22 parecem muito melhores, mas os que estão à disposição das Forças Armadas são muito poucos para manter a supremacia global no ar — apenas 90, acrescenta o analista. Em 2009, foi decidido reduzir o programa do F-22 devido ao fato de ser possível dispensar estes aviões nas operações de contra-insurgência e de luta contra os terroristas islâmicos. No entanto, não foram adotados outras aeronaves em substituição.

    A estrutura da aviação americana foi organizada para manobras do tipo das operações no Iraque em 2003, mas agora ela tem de se adaptar a uma nova situação — em primeiro plano temos a Rússia restabelecendo as suas anteriores posições militares e a China, bastante ativa, pelo que os aviões americanos agora têm de resolver problemas de dissuasão.

    O especialista coloca a questão: será mesmo necessária a supremacia aérea? Layton chega à conclusão de que a aviação, mesmo que não permita ganhar a guerra, mas pelo menos pode salvar da derrota.

    Os analistas da RAND acreditam que os EUA podem reduzir a diferença nos potenciais da aviação com a ajuda dos F-35. No entanto, o observador do The National Interest não está totalmente de acordo com isso. Ele lembrou que, há vinte anos, o único desafio para a supremacia aérea da América eram os sistemas russos de defesa antiaérea e os F-35 foram projetados precisamente para fazer frente a estes sistemas.

    Caça Lockheed Martin F-35 da Força Aérea dos EUA
    © AP Photo / LM Ottero
    Caça Lockheed Martin F-35 da Força Aérea dos EUA

    "Ora, os tempos estão mudando, mas o design do radar dos anos 1990 do F-35 continua o mesmo", — diz Peter Layton.

    Tags:
    Rússia, EUA, China, Força Aérea, F-35, Lockheed F-22 Raptor, F-15 Strike Eagle, Su-35, opinião, aviação militar
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar