00:25 13 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Fukushima-1

    Japão agradece à Rússia por ajuda pós-tsunami

    © Sputnik /
    Mundo
    URL curta
    3181
    Nos siga no

    A embaixada japonesa em Moscou organizou uma recepção nesta sexta-feira para agradecer aos funcionários do Ministério de Emergências da Rússia pela ajuda nas operações de busca e resgate após o terremoto e o tsunami que devastaram parte do Japão cinco anos atrás.

    Em 11 de março de 2011, um abalo de 8,9 graus de magnitude atingiu o leste de país, sendo seguido por ondas de tsunami com mais de 10 metros de altura, que percorreram mais de 10 km por terra. Segundo estimativas do governo, cerca de 16 mil pessoas foram mortas na tragédia, enquanto outras 2.500 continuam desaparecidas. O desastre também causou sérios danos à infraestrutura japonesa, provocando inclusive um sério acidente na usina nuclear de Fukushima.

    "Todas as nações possuem uma data comemorativa impossível de esquecer. Para os japoneses, essa data é 11 de março de 2011, dia em que houve um forte terremoto no leste do Japão. Eu os convidei para agradecer por sua assistência compreensiva urgente, e pelo calor e cuidado que vocês demonstraram há cinco anos", declarou o embaixador japonês Toyohisa Kozuki em discurso para os socorristas russos.

    De acordo com Kozuki, a resposta do governo russo ao incidente foi uma das mais rápidas, e os agentes russos já chegaram ao local prontos para as operações de resgate, sem perder tempo. 

    "Não menos importante foi o apoio espiritual de muitos cidadãos russos que trouxeram flores para a embaixada japonesa, em memória das vítimas do terremoto, enviaram cartas e participaram de captações de recursos". 

    Mais:

    Japão religa reator nuclear pela primeira vez desde Fukushima e recebe protestos
    Opinião: consequências de Fukushima levarão 100 anos para ser eliminadas
    Tags:
    tsunami, terremoto, resgate, embaixada, Central Nuclear de Fukushima, Toyohisa Kozuki, Moscou, Rússia, Japão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar