02:15 06 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    Crise nuclear das Coreias (56)
    16120
    Nos siga no

    O Ministério da Defesa sul-coreano declarou nesta sexta-feira (11) que um total de 6.800 hackers profissionais da Coreia do Norte atacam instituições públicas da Coreia do Sul.

    "A Coreia do Norte tem 6.800 pessoas envolvidas na guerra cibernética, e sua capacidade de aplicar meios assimétricos a ataques cibernéticos estão crescendo", informou agência de notícias Yonhap, citando dados do ministério sul-coreano.

    Estes dados foram apresentados durante a reunião de representantes de instituições de defesa da Coreia do Sul nesta sexta-feira.

    De acordo com a mídia local, a Coreia do Norte possui seis organizações responsáveis por realizar os hacks, com 1700 funcionários em cada uma.

    Além disso, o país tem outras 13 subsidiárias, com os mesmos objetivos, onde trabalham 5.100 pessoas.

    A reunião em Seul coincidiu com a afirmação de um parlamentar sul-coreano, que disse que a Coreia do Norte tentou hackear telefones móveis de 300 representantes de instituições públicas da Coreia do Sul.

    Pyongyang reagiu à declaração do deputado com mensagens por correio eletrônico com insultos e críticas à administração da Coreia do Sul.

    A tensão na região voltou a aumentar depois que o país a Coreia do Norte realizou seu quarto teste nuclear em 6 de janeiro e um mês depois lançou um foguete com um satélite.

    Tema:
    Crise nuclear das Coreias (56)

    Mais:

    Coreia do Norte rompe todos os acordos de cooperação econômica com o Sul
    Coreia do Norte lança dois mísseis balísticos em direção ao Mar do Japão
    Seul não confirma que Coreia do Norte pode equipar mísseis com ogivas nucleares
    Encontro entre chanceleres terá enfoque na Coreia e Síria
    Coreia do Norte garante ter reduzido ogivas nucleares para equipar mísseis balísticos
    Tags:
    hackers, ataque cibernético, tensão, teste nuclear, nuclear, Coreia do Norte, Coreia do Sul
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar