14:06 22 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Marcas de tinta e ovos no edifício da embaixada russa em Kiev, Ucrânia, 9 de março de 2016

    Ucrânia deverá pagar compensação pelo que fez

    © Sputnik / Stringer
    Mundo
    URL curta
    12263

    Moscou não admitirá nenhum tipo de ações agressivas contra os diplomatas russos e seus familiares na Ucrânia, disse o ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, em uma entrevista ao canal televisivo russo REN TV.

    “Ali [na embaixada] há oportunidade de abastecimento, tem reservas. Limitamos de forma extrema a possibilidade [dos diplomatas russos na Ucrânia] de sair para as ruas das cidades, especialmente se não houver urgência. Penso que não convém preocupar-se com o estado dos nossos diplomatas e as suas famílias. Apoiamo-los intensamente e não admitiremos ações agressivas em relação a estes indivíduos”, afirmou.

    O chanceler russo disse que a Ucrânia deverá pagar o custo do dano causado pelos ataques contra a embaixada russa em Kiev.

    “Com certeza, exigiremos uma compensação”, disse Lavrov.

    Anteriormente, a polícia deteve 3 pessoas envolvidas no incidente da noite da quinta-feira (10) contra a embaixada russa na capital ucraniana no qual foram lançados alguns coquetéis Molotov. Depois foram liberados e foi aberto processo judicial.

    Há que lembrar que este incidente não é o primeiro. Na semana passada, alguns desconhecidos destruíram automóveis dos diplomatas que foram deixados perto do edifício da embaixada em Kiev. Um pouco depois as pessoas que realizavam uma ação de protesto atiraram ovos e pedras contra o edifício. Um dos participantes do protesto quebrou a janela do primeiro andar e várias câmeras de vigilância.

    Segundo a Convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas de 1961, o país anfitrião deve fazer todo o possível para garantir a segurança de missões diplomáticas que ficam em seu território.

    Tags:
    danos, embaixada russa, protesto, ataque, Sergei Lavrov, Ucrânia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik