00:12 15 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    12112
    Nos siga no

    A Anistia Internacional publicou uma nota nesta terça-feira (8) criticando o acordo entre a União Europeia e a Turquia para travar o fluxo de imigrantes ilegais e refugiados para a Europa. Segundo a organização, o acordo é desumano e possui “defeitos morais e legais”.

    “A preocupação constante de enviar as pessoas de volta para a Turquia, em vez de fazer esforços incondicionais sobre a deslocalização e oferecer outras formas seguras e legais para elas chegarem à Europa, mostra uma atitude ‘alarmante e míope’ por parte das autoridades europeias”, afirma a organização em comunicado. 

    De acordo com a diretora da Anistia Internacional junto às instituições europeias, Iverna McGowan, os líderes da União Europeia e da Turquia participam de uma “negociação isolada dos direitos e da dignidade de algumas das pessoas mais vulneráveis do mundo”. “As condições do princípio de acordo entre a UE e a Turquia são ‘perigosamente desumanas’ e não oferecem solução sustentável a longo prazo para enfrentar a crise”, acusa McGowan.

    “Muitos refugiados na Turquia vivem em condições terríveis, sem uma casa adequada e centenas de milhares de crianças refugiadas não podem ter uma educação formal”, afirmou a diretora. 

    A Anistia Internacional ainda destacou não acredita que a Turquia possa ser considerada “uma nação segura” devido ao tratamento dados aos refugiados”, visto que o país “já devolver refugiados à Síria” e “não conta com um sistema de asilo em pleno funcionamento”.


    Mais:

    UE e Turquia alcançam acordo sobre plano para resolução da crise de refugiados
    Grécia pede ajuda da OTAN para conter fluxo de refugiados
    Hungria reduzirá espaço e subsídios para refugiados
    Para que propõe Erdogan construir cidade de refugiados na Síria?
    Hungria anuncia referendo sobre cotas de refugiados impostas por Bruxelas
    Tags:
    imigrantes, crise de imigrantes, refugiados, Anistia Internacional, União Europeia, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar