09:13 25 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    13023
    Nos siga no

    A sugestão recente de Recep Tayyip Erdogan sobre a construção de uma "cidade para os refugiados" em território estrangeiro é apenas uma cortina de fumaça, que esconde as suas verdadeiras intenções, entre os quais o desejo de criar uma zona tampão e a cobertura aérea para os seus rebeldes «moderados», diz a mídia alemã.

    Na sexta-feira (4), antes da cúpula de emergência da Turquia-UE sobre a crise dos refugiados, que está atualmente decorrendo em Bruxelas, o líder turco surgiu com uma sugestão de construir uma "cidade dos refugiados". No entanto, a cidade deve ser localizada perto da fronteira com a Turquia, no território de um país estrangeiro.

    O presidente turco disse que ele mesmo tinha discutido a ideia com o presidente dos EUA, Barack Obama, no entanto, a proposta "ainda não foi concretizada».

    A revista alemã Zeit está convencida de que a sugestão é uma "cortina de fumaça" que esconde as verdadeiras intenções do presidente turco.

    "Erdogan não disse nada sobre a maneira de que ele pretende construir uma cidade em um território estrangeiro, nem o prazo para a sua construção", diz o artigo de Ludwig Greven.

    "Ele nem mencionou quem ia controlar o território", acrescenta o autor.

    “Será que vai ser administrado pelo presidente legítimo da Síria Bashar Assad, ou vai ser controlada por um dos vários grupos rebeldes, ou ficaria sob controle dos curdos sírios?”, pergunta o jornalista. O autor destaca que, em todos os casos, seria uma violação clara do direito internacional. 

    "Não é de surpreender que Washington não faça nada, porque Obama não quer ser arrastado para uma nova aventura, embora limitada, no Oriente Médio", diz o jornalista.

    Segundo o autor, os verdadeiros motivos de Erdogan poderiam ser uma mera propaganda, um desejo de demonstrar que o seu país está disposto a fazer mais para resolver a crise dos refugiados, desta vez, no entanto, no território de outro país.

    A ideia também soa como mais uma tentativa de pressionar os outros países para criar uma zona tampão no território da Síria ao longo da fronteira com a Turquia, que Erdogan tenta alcançar por muito tempo.

    Se for construída uma cidade, a coalizão liderada pelos Estados Unidos deixaria de combater na zona de exclusão aérea e esta, que por sua vez, forneceria a cobertura aérea para os "rebeldes moderados" apoiados por Ancara na luta contra o presidente sírio Assad.

    Outro motivo é uma tentativa de barrar as intenções dos curdos sírios, que Ancara considera um grupo terrorista e que estão a ser apoiados tanto pela Rússia como pelos EUA.

    "Esse é o maior medo de Erdogan: que, após o Norte do Iraque, surja na Síria uma área autônoma curda, o que poderá levar os curdos turcos a exigir o mesmo para si", supõe o autor.

    Entretanto, a edição salienta que obrigar os refugiados sírios a voltar para o seu território quando há um perigo para as suas vidas é uma clara violação da Convenção de Genebra, o que só ilustra a verdadeira atitude da Turquia para com os direitos humanos e a vida humana.

    Mais:

    Hungria anuncia referendo sobre cotas de refugiados impostas por Bruxelas
    Merkel: Europa e Turquia devem dividir responsabilidade pela crise de refugiados
    Naufrágio perto da costa da Turquia deixa 18 imigrantes mortos
    Moscou reage à invasão da sede do jornal oposicionista turco Zaman
    Tags:
    refugiados, Recep Tayyip Erdogan, Síria, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar