07:39 18 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Soldado l[ibio leal ao governo internacionalmente reconhecido patrulha uma rua na cidade costeira de Bengazi em 28 de fevereiro de 2015

    Intervenção na Líbia só é possível após aprovação do Parlamento

    © AFP 2019 / ABDULLAH DOMA
    Mundo
    URL curta
    312

    O primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, pediu uma solução “equilibrada e de longo prazo” para a instabilidade na Líbia.

    Uma intervenção militar na Líbia só será possível após ultrapassar todos obstáculos, inclusive a aprovação do parlamento líbio, afirmou o primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, neste sábado.

    Na última quinta-feira, o jornal Corriere della Sera mencionou um decreto secreto de Renzi, datado de 10 de fevereiro, segundo o qual 50 soldados italianos de forças especiais estavam prontos para se juntarem a colegas de EUA, Reino Unido e França na luta contra o Daesh na Líbia.

    “A grande imprensa está tentando apresentar cenários de uma guerra italiana na Líbia que não correspondem à realidade”, disse Renzi, segundo a agência de notícias Ansa.

    O primeiro-ministro italiano pediu uma solução “equilibrada e de longo prazo” para a instabilidade no país africano.

    “Só assim será possível avaliar, baseado no pedido do governo legítimo, o nível da participação italiana. Em todo caso, isso exige os procedimentos organizacionais e parlamentares necessários”, ressaltou Renzi.

     

    Mais:

    Pentágono não confirma mortes de civis em operação americana na Líbia
    EUA matam sérvios de novo durante bombardeios... mas agora na Líbia
    Ataque aéreo na Líbia mata 40 militantes do Daesh
    Opinião: presença de Daesh na Líbia é legado da OTAN
    Líbia forma governo de unidade nacional
    Moscou não descarta retomada de fornecimento de armas à Líbia
    Tags:
    parlamento, aprovação, intervenção militar, Estado Islâmico, Daesh, Ansa, Corriere della Sera, Matteo Renzi, Itália, Líbia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar