08:38 14 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Mundo
    URL curta
    211
    Nos siga no

    O jornal alemão Bild publicou a última carta do piloto Andreas Lubitz do avião da Germanwings que caiu nos Alpes franceses no ano passado.

    O Bild publicou a íntegra a carta do copiloto do voo 4525 que, em 24 de março de 2015, se despenhou quando fazia a rota entre Barcelona, Espanha, e Düsseldorf, Alemanha, matando todos os 144 passageiros e seis tripulantes que seguiam a bordo.

    Segundo piloto do avião A320, Andreas Lubitz
    © REUTERS
    Segundo piloto do avião A320, Andreas Lubitz
    A carta tornada pública foi escrita duas semanas antes da tragédia, em 10 de Março, e era endereçada a um dos médicos de Lubitz.

    O copiloto se queixava de problemas contínuos com a visão, que lhe provocaram perturbações psíquicas.

    “Eu tomo mirtazapina já por duas semanas, mas não vejo qualquer efeito positivo da dosagem de 15 mg do medicamento. Por isso, eu comecei a tomar 30 mg. Com a dose mais alta eu me torno mais calmo, mas, mesmo assim, às vezes tenho ataques de pânico por causa da perda de visão. Infelizmente, o meu sono não melhorou com a mirtazapina, tenho noites completamente sem sono”, diz-se na carta.

    Os problemas com a visão, uma das perturbações que o piloto tinha, incluíam a diminuição do brilho e da percepção de contraste. Na carta, ele dizia que já não via a cor branca como branca, especificando que para ver algo precisava de uma iluminação muito boa.

    Além disso, na carta Lubitz, lastimando-se dos problemas com a visão, pedia ao médico para sugerir quaisquer sistema para melhorar a visão, diminuir o nível de estresse e restaurar o sono saudável.

    Na altura do acidente, a companhia aérea alemã Germanwings declarou que não foi informada sobre os problemas de Lubitz por razão do segredo médico.

    Mais:

    Copiloto da Germanwings pesquisou sobre suicídio na véspera da tragédia nos Alpes
    Tags:
    investigação, vítimas, tragédia, Andreas Lubitz, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar