13:00 11 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    John Kirby, porta-voz do Departamento de Estado dos EUA

    EUA reconhecem existência de problemas na fronteira entre Turquia e Síria

    © AP Photo/ Susan Walsh, File
    Mundo
    URL curta
    Trégua russo-americana na Síria (85)
    8112

    O porta-voz do Departamento de Estado norte-americano, John Kirby, declarou nesta sexta-feira (4) que os EUA reconhecem a existência de problemas de segurança na fronteira entre Turquia e Síria, mas não podem confirmar a presença de um um esquema de fornecimento de armas para terroristas através da mesma.

    Mais cedo, o ministério da Defesa da Rússia revelou ter provas de que a Turquia está apoiando organizações terroristas na Síria com o envio diário de grandes quantidades de armamentos em comboios de caminhões através da sua fronteira.

    Respondendo a pedidos de jornalistas para comentar estas informações, Kirby disse a seguinte frase:

    "Se vocês me perguntam sobre estas informações concretas, então eu não posso dizer nada. Mas, em geral, nós continuamos constatando que grupos como o Daesh (Estado Islâmico) têm acesso à fronteira."

    Desde 2011, a Síria está envolvida em uma guerra civil, com as forças do presidente Bashar Assad combatendo vários grupos de oposição — entre eles, grupos terroristas como Frente Nusra, Ahram al-Sham e Daesh (Estado Islâmico). Em 22 de fevereiro os EUA e a Rússia emitiram uma declaração conjunta propondo um cessar-fogo entre as forças do governo e a oposição armada no país árabe. A trégua, que entrou em vigor em 27 de fevereiro, não se estende a grupos considerados terroristas pela ONU, como Frente Nusra, Ahram al-Sham e Daesh.

    Tema:
    Trégua russo-americana na Síria (85)

    Mais:

    Irmandade Muçulmana pode azedar relação entre Turquia e EUA
    Turquia continua atacando território sírio apesar da trégua
    EUA alertam seus cidadãos sobre perigo de viajar para Turquia
    Tags:
    fronteira, problemas, John Kirby, Síria, Turquia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik