06:53 13 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Manifestação a favor de integração europeia em Kiev, Ucrânia

    Chefe da Comissão Europeia: Ucrânia não poderá tornar-se membro da UE e OTAN

    © Sputnik/ Pyotr Zadorozhny
    Mundo
    URL curta
    19182

    A Ucrânia precisa de mais de 20-25 anos para tornar-se membro da União Europeia ou OTAN, afirmou o chefe da Comissão Europeia Jean-Claude Juncker discursando em Haia na quinta-feira (3), informou a RIA Novosti.

    “A Ucrânia definitivamente não será capaz de tornar-se membro nem da UE nos próximos 20-25 anos, nem da OTAN”, disse Juncker.

    Segundo a publicação Europe Online Magazine, Juncker comentou a situação no contexto de referendo sobre o acordo comercial entre a UE e a Ucrânia que será realizado em abril na Holanda (outro nome do Reino dos Países Baixos).

    É bem conhecido que para se tornar membro da UE ou OTAN o país precisa corresponder a alguns critérios relacionados ao regime democrático e direitos humanos.

    O acordo de associação com a UE foi assinado na Ucrânia em 2014. A integração ucraniana prevê o aprofundamento das relações econômicas entre as partes, harmonização jurídica e a criação de uma zona de comércio livre. A Suprema Rada (parlamento ucraniano) e o Parlamento Europeu ratificaram o documento em 16 de setembro de 2014, mas ele entrará em vigor só após todos os 28 países-membros da UE o ratificarem.

    A Holanda é o único país-membro da União Europeia a não ter ratificado o acordo sobre a associação europeia da Ucrânia. Estava a ponto de fazer isso, e o governo já assinara o acordo respectivo em 7 de julho de 2015; o rei da Holanda assinou o decreto correspondente em 8 de julho. Porém, uma lei aprovada em 1 de julho prevê a possibilidade da população de apelar contra a decisão aceite pelas autoridades. O que foi feito mais tarde, com uma iniciativa de referendo.

    O referendo é previsto para o dia 6 de abril.

    Tags:
    associação, acordo, referendo, União Europeia, OTAN, Holanda, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik